Jornalista há quase 30 anos, escreve a coluna Aparte desde 1991. Já trabalhou em TV, rádio e foi editor chefe do Jornal da Paraíba e colunista das TVs Cabo Branco e Paraíba. É comentarista político das rádios Campina FM, Caturité AM e editor do portal de notícias Paraibaonline.

quarta-feira, 27/07/2016

Choque de gerações no PP

´Arrastão contra o mago´

O anúncio de ontem do apoio do PSDB e do PSC à reeleição do prefeito Luciano Cartaxo (PSD) não comportava em si nenhuma novidade. Era o que se delineava há dias.

A opção de realizar o anúncio conjuntamente teve uma carga extra de sinalização da consistência da ´frente suprapartidária´ que se forma em João Pessoa e que já comporta 11 partidos.

Vida longa

Presidente do PSDB no Estado, o ex-deputado Ruy Carneiro sublinhou que “é uma aliança extremamente frutífera para João Pessoa”.

E emendou: “Que ela continue, e não seja apenas para uma eleição”.

Nupcial

Carneiro avançou no mote do ´chapão´: “Aliança é como casamento, sempre quando começa tem a melhor das intenções. Da nossa parte, será por muito e muito tempo. Isso depende da convivência dos partidos. Tem tudo para ser agora, em 2018 e mais pra frente”.

Cotado

O ´tucano´ foi perguntado sobre a hipótese de o seu companheiro de solenidade – Marcondes Gadelha – ser o vice de Cartaxo.

“O nome de Marcondes eu considero ótimo. Logicamente, não é uma escolha do PSDB e vai ser analisada por outros partidos”, respondeu.

O voo…

Ao falar aos jornalistas sobre a incorporação do PSC a esse ´frente´, Marcondes (presidente do PSC/PB) recordou que “há muito estávamos apoiando a candidatura de Manoel Júnior (PMDB), que era um candidato extremamente competitivo, bem articulado no plano nacional e identificado com João Pessoa”.

… Era outro

Ele frisou que Manoel “debate bem e expõe melhor ainda. Ele fez um meritório esforço para viabilizar a sua candidatura, mas não conseguiu. A gente tem que respeitar essa situação”.

´Me dê motivos´

O ex-senador expôs três razões “para nós apoiarmos a candidatura de Cartaxo”.

O primeiro deles é “o seu estilo pessoal e a eficácia social de sua administração, voltada para a promoção humana”.

Incorporação

“Cartaxo, generosamente, acolheu algumas sugestões que nós tínhamos dado para o programa de governo de Manoel Júnior”, nas áreas de mobilidade urbana, segurança pública; e que a educação seja entendida com o “insumo mais importante”.

Sem superpoderes

“A terceira razão – seguiu Gadelha – é a nossa responsabilidade política, que diz respeito à preservação do pluralismo na Paraíba. O pluralismo é a própria essência da democracia, e quer dizer a diversidade e a multiplicidade de opiniões, de posições políticas, e a autonomia das diversas entidades em que a sociedade se desdobra”.

Dito de outro jeito: Ricardo Coutinho não deve concentrar poderes em demasia.

E a vice?

“O PSC não vai reivindicar nada. Se, por ventura, os diversos partidos entenderem que o PSC ajuda na conciliação das diversas correntes que estão em jogo, é claro que o PSC estará disponível para cumprir esse papel”, respondeu Marcondes.

Largo sorriso

O prefeito Cartaxo surfou com o vento a favor.

Segundo ele, os apoios que coleciona “demonstram claramente que nós estamos no caminho certo. Estamos construindo nossas alianças a partir do diálogo, do bom entendimento e de uma plataforma programática para João Pessoa”.

Escapou

Sobre a vaga de vice, Luciano ponderou que “nós estamos fechando ainda o processo de diálogo com os partidos”.

E emendou outro mote: “Queremos o PMDB unido na nossa coligação”.

´Quiabo´

Sobre a hipótese de só cumprir menos de dois anos de um eventual novo mandato, Cartaxo tergiversou: “Meu compromisso é com 2016. Faço política com os pés no chão, degrau a degrau, passo a passo. Estou numa campanha para prefeito”.

´Não me comprometa´

Quanto a durabilidade da ´locomotiva´ de legendas que passa a liderar, Luciano comentou que “é a aliança de um projeto futuro para João Pessoa e para a Paraíba. 2018 é outra história, outro processo”.

Vai vingar

Muito festejado na solenidade do PSC/PSDB com Cartaxo, Manoel Júnior garantiu que “o PMDB praticamente está consensuado. E nós, no sábado, apresentaremos o companheiro ou a companheira do prefeito para encarar essas eleições”.

Amortecedor

O peemedebista minimizou o encontro da cúpula do PMDB, ocorrida na noite anterior na casa do senador José Maranhão.

Sem cacique

“Foi uma reunião tranquila. O PMDB é um partido democrático, e mesmo diante das diferenças a gente converge. Não tem dono, não tem quem manda e os outros balançam a cabeça”, assinalou o deputado, para realçar que “o diretório estadual é muito heterogêneo, tem gente de todo o Estado”.

Autonomia

Manoel Júnior pontificou para os entrevistadores que “o diretório nacional (do PMDB) já deliberou que as decisões locais, dos diretórios municipais, serão respeitadas pelas outras instâncias partidárias”.

Sem empolgação

O deputado admitiu que “o nosso nome está também posto (para a vaga de vice), mas é um processo de avaliação interna do partido”.

´O pródigo´

O vereador campinense Anderson Maia (PSB), que andava distante das atividades de pré-campanha do prefeitável do partido, deputado Adriano Galdino, passou a prestigiar as ´Plenárias Socialistas´ que estão acontecendo em vários bairros da cidade.

Sequência

“A candidatura de Adriano representa a continuidade do trabalho realizado pelo projeto do PSB no Estado”, discursou Maia.

Pista

No edital de convocação para a convenção do PTN em Campina – que vai ocorrer conjuntamente com a do PMDB, sábado que vem, no Sesc Centro -, um dos itens da pauta é “escolha de candidato (vice) à chapa majoritária”.

Só lembrando

APARTE já divulgou que uma das alternativas para a vaga de vice na chapa de Veneziano é o vereador Galego do Leite (Joseildo Alves dos Santos).

Vem aí

O Banco Itaú anuncia para breve uma nova bandeira de cartões, que vai concorrer com a bandeira Elo, controlada pelo Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Bradesco, e que tem 95 milhões de cartões emitidos no País.

´Motim´

Sem muito alarde, está em curso uma ´insurreição´ de várias lideranças do PSD em Campina Grande com relação às coligações proporcionais no arco de aliança que vai respaldar a candidatura à reeleição do prefeito Romero Rodrigues (PSDB).

Pressão

O deputado Manoel Ludgério, vice-presidente do PSD-PB; o presidente do PSD-CG, vereador João Dantas; o presidente da Câmara campinense, Antonio Pimentel Filho; e a líder do bloco governista na Câmara, Ivonete Ludgério, estão cobrando do deputado Rômulo Gouveia (presidente do PSD-PB) e de Romero que atuem de forma ativa para a definição dessas subcoligações.

Sem consenso dentro de casa

A vaga de vice na chapa de Romero Rodrigues continua indefinida. E a indefinição é – predominantemente – de natureza interna, no Partido Progressista.

Por incrível que pareça não existe dentro do PP – leia-se família Ribeiro – um consenso em torno do nome do ex-prefeito Enivaldo Ribeiro.

É até inacreditável, mas pura verdade.

O que Gervásio Maia achou da desistência de Manoel Júnior de disputar a PMJP?...
Simple Share Buttons