Fechar

logo

Fechar

Arimatéa Souza

quarta-feira, 04/03/2020

Cartas de alforria

Dito e feito

A oposição reapresentou ontem o pedido de impeachment do governador João Azevedo (Cidadania), como havia prometido.

“Infelizmente, a Assembleia continua sendo a Assembleia. Não foi motivo de estranheza e de perplexidade (o arquivamento). A Assembleia continua a ser manobrada pelo governo do Estado. Mas renovamos os pedidos e suprimos as possíveis e supostas falhas que a Procuradoria (Jurídica da ALPB) lançou”, comentou o deputado Walber Virgulino (Patriota).

Desnecessidade

Segundo o parlamentar, com relação à necessidade de reconhecimento de firma (assinatura) dos subscritores, “isso é uma burocracia desnecessária. O Supremo Tribunal Federal já decidiu. E teve um decreto federal que também decidiu”.

´Aditivo´

Walber enfatizou ainda que “como conjunto probatório, nós tínhamos mais de 600 documentos e agora são mais de mil documentos”.

´Pitaco´

Presidente do PSC na Paraíba, o ex-senador Marcondes Gadelha disse que a tendência da legenda é permanecer na coligação liderada pelo prefeito Luciano Cartaxo (PV-JP), mas ressalvou que é necessário participar da escolha do nome.

Da boca de…

“…. O presidente Jair Bolsonaro é um covarde ou um maluco…” (advogado Gustavo Bebianno, ex-secretário geral da Presidência, anteontem, no programa Roda Viva, da Rede Cultura/TV Itararé).

Para jogar…

Começo da sessão ordinária de ontem do Legislativo campinense. O vereador Olímpio Oliveira (MDB) se dirige outra vez à tribuna. Mas leva consigo um propósito diferente.

… A toalha

A mensagem a ser passada era uma capitulação pessoal, indesejada: “Do final do ano passado até o final de fevereiro eu tentei viabilizar a postulação da pré-candidatura (a prefeito)”, proclamou.

Boicote

Na sequencia do relato, o edil discorreu que “a partir do MDB, nós sentimos a falta de interesse. O próprio MDB não moveu uma palha sequer para tornar viável a nossa candidatura. Pelo contrário, aqui e acolá se levantou colocando obstáculos e apresentando notícias de convites a outros candidatos. Do MDB, eu não recebi solidariedade a uma postulação legítima”.

Sem amarras

Olímpio introduziu, nesse instante, o plano conceitual, mas com personificação óbvia: “Você tem que ter a indicação de um chefe político. E esse é um caminho improvável para mim. Para ser eleito prefeito de Campina, e ficar refém de quem me indicou… Eu só aceitaria a indicação do povo”.

´Donos do poder´

“Campina ainda não amadureceu para isso. Campina está aguardando quem será o candidato a prefeito de Romero Rodrigues. O chefe da oposição (não verbalizou o nome do senador Veneziano) já indicou a sua esposa (Ana Cláudia). Fora dessas duas indicações, não há espaço”, registrou – e lamentou.

´Satélites´

Sobre os pré-candidatos a prefeito que estão gravitando em torno do que o edil avalia como reprise de uma polarização política, o emedebista afirmou que “algumas candidaturas que ainda tentam sobreviver são relativizadas, ridicularizadas, desacreditadas”.

Luta desigual

“Vivemos numa cidade que ainda espera a indicação de um chefe político (…) Essa é uma verdade absoluta. E temos que reconhecer quando não temos força para enfrentar uma verdade estabelecida”, resignou-se.

Sem cabresto

Olímpio avançou nas palavras: “Repito: no dia que eu tiver que ser indicado por um chefe político para ocupar algum cargo, eu estou fora. Aceito sim, a indicação do povo”.

O detalhe

Ele informou que quedou-se aos apelos de correligionários e tentará um novo mandato parlamentar, apesar da predisposição inicial de não o fazê-lo.

Eco

Quando Olímpio Oliveira desceu da tribuna, a vereadora-presidente Ivonete Ludgério (PSD) estimulou-se para outro desabafo: “Infelizmente, nós não temos o sobrenome ideal nem nos casamos nas famílias ideais para ser candidata a prefeita de Campina”.

Veto

“Manoel Ludgério (seu esposo e deputado) continua candidato, mas sabendo que nunca será o escolhido (pelo grupo governista em Campina), porque casou com Ivonete. Infelizmente é isso o que a gente tem que engolir – atra-ves-sa-do!”

Abriu o leque

“Nós vivemos esse tempo… É a mulher de alguém que é candidato”, esgrimiu noutro instante mirando outro grupo político.

Giratória

O foco da presidente virou-se para o empresário e prefeitável Artur Bolinha (PSL), que avaliou a atual legislatura da Câmara como a “pior” que a cidade já teve.

Pecha

“E um homem desse ainda quer ser votado. Ele é um candidato de elite, que não tem voto para se eleger vereador. Desafio ele desistir de ser candidato a prefeito e conseguir ser eleito vereador”, bradou a vereadora.

Aplauso

O vereador Pimentel Filho (PSD) entrou em cena: “Eu parabenizo Vossa Excelência (Ivonete) e o vereador Olímpio. Que se transcreva em letras garrafais (os dois pronunciamentos). Faltava essa Câmara dizer isso”.

Sem meias…

Com o cair da tarde, veio outro contundente pronunciamento, pelas redes sociais, do deputado Manoel Ludgério, com um público, duro e enfático recado ao agrupamento que integra.

… Palavras

“Não vamos engolir, em hipótese alguma, qualquer que seja o nome (do candidato a prefeito), (que seja escolhido) entre quatro paredes e com decisão de cima para baixo”, ressaltou o deputado.

Retrovisor

Manoel recordou que “um dos postulantes (prefeitáveis) deve lembrar-se que até às últimas horas de 2016 lutou para inviabilizar a eleição de Ivonete para a Presidência da Câmara. Este, não tem força humana que nos faça apoiar”.

Sem recuo

Ludgério reafirmou que “mantenho integralmente meu nome como pré-candidato a prefeito de Campina, à disposição do grupo político que hábito desde 1987”.

Qual o critério?

Para o deputado, “se o critério for experiência e capacidade técnica, eu tenho. Fui vereador por três mandatos, presidente da Câmara, prefeito interino, secretário municipal por seis vezes, secretário de Estado, deputado no 5o mandato”.

– Se o critério for lealdade, também preencho o requisito!! Com este grupo atravessei longos períodos na oposição. Ivonete foi líder da oposição na Câmara por quase 8 anos, quando Cássio foi brutalmente afastado do cargo de governador. Nenhum deputado quis liderar a oposição. Eu assumi o desafio. Nossos inúmeros gestos de lealdade também nos proporcionaram dissabores, contra os quais lutamos até hoje – acrescentou Ludgério.

O PV de Campina estará na coligação de Romero?...
Share this page to Telegram

Arquivo da Coluna

Arquivo 2019 Arquivo 2018 Arquivo 2017

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube