Fechar

logo

Fechar

Arimatéa Souza

sábado, 17/04/2021

Aversão aos poderes

“Única vantagem”

No seu mais recente artigo mensal, o sociólogo e ex-presidente Fernando Henrique Cardoso volta a se debruçar sobre a conjuntura brasileira atual.

Destaco a seguir alguns trechos.

“A única vantagem que os mais velhos podem eventualmente ter é que já viveram situações difíceis. Elas não deixaram saudades.

Dependência

“A liberdade é como o ar que respiramos: sem nos darmos conta, é dele que vivemos. Basta cortá-lo para aparecerem consequências nefastas.

Lacunas

“Temos um governo que não oferece o que mais precisamos: serenidade e segurança no rumo que estamos seguindo.

Dito e feito

“Nem tudo se deve à condução política do presidente da República. Convém repetir: ele foi eleito pela maioria e disse o que faria… Fez. E não deu certo.

Pé no chão

“Sejamos realistas: ainda que o presidente fosse capaz de conter os seus ímpetos, não nos livraríamos do vírus que nos atormenta. Mas poderia haver menos mortos.

Indispensáveis

“A credibilidade dos que mandam é quase tão eficaz para conter desatinos como a competência dos serviços de saúde para evitar mortes.

Falácia

“Não sei o que se passa na cabeça presidencial, mas, ainda que desejasse um “golpe”, com que roupa? Basta ler as declarações dos militares que partiram ou dos que chegaram: quase todos falam em respeitar a Constituição e agir dentro da lei.

Prevenir

“Mas é hora de promover a junção das forças capazes de se contrapor a eventuais estrebuchamentos autoritários, antes que surjam propostas que nos levem a eles.

Crença

“Na política, como na vida, ou se acredita que é possível mudar e obter uma algo melhor, ou se morre por antecipação”.

Serviço

Para ler o artigo completo de FHC, acesse aqui.

Represadas

Reportagem publicada no ´Estadão´ mostra que no ano passado, em função da pandemia do coronavírus, cerca de 1 milhão de cirurgias eletivas (não urgentes) foram adiadas no Sistema Único de Saúde (SUS).

Ocaso

Está sendo lançado um documentário – “Alvorada” – sobre os 116 dias que a ex-presidente Dilma Rousseff passou no Palácio da Alvorada depois de ser afastada do cargo temporariamente, antes da consumação seu impeachment.

Garimpo

Eis algumas declarações da petista.

“Eu não tenho mais nada a perder. E, aí, dá uma imensa tranquilidade na vida. Isso não significa que não se lute sistematicamente”.

Solidão

“Todo dia eu enfrento problema e, quando eu tiver que enfrentar problema, eu vou enfrentar. Eu, sozinha, e Deus”.

Divagações

“Eu concordo que eu tenho que ser humana, porque tem gente que acha que eu não sou. Fico estarrecida com esse papo. Será que eu sou o quê, se eu não sou humana?”.

Algoz

“Ele é banal, o mal. O Eduardo Cunha (ex-presidente da Câmara Federal) é banal”.

Da boca de…

“… A Câmara Municipal de Campina Grande não é uma extensão do Poder Executivo…” (vereadora Jô Oliveira, do PCdoB).

Retaguarda

Três parlamentares paraibanos integram a comitiva do ministro Marcelo Queiroga (Saúde) na sua visita à Paraíba: Aguinaldo Ribeiro (PP), Efraim Filho (DEM) e Hugo Motta (REP).

O detalhe

Wilson Machado Neto, ministro Turismo, também foi listado na comitiva.

Pulsante

Em entrevista dada ontem em João Pessoa, Queiroga comentou que “troquei a cardiologia pelas vacinas, mas o cardiologista sempre enxerga o mundo com os olhos do coração”.

Que o ´capitão´…

… Não escute. Ainda durante a entrevista, o ministro afirmou que “o uso da máscara é tão importante (para combater a pandemia) quanto a vacinação”.

Na Serra

Hoje pela manhã, Marcelo Queiroga visita em Campina Grande (pela ordem) o Hospital Pedro I, o ISEA e o Nutes (núcleo tecnológico), no campus da UEPB (Bodocongó).

Sábado é dia de poesia

Nesta segunda-feira, transcorrerá o 80º aniversário do ´Rei´ Roberto Carlos. Um levantamento do ECAD (que controla os direitos autorais) apontou a música dele mais ouvida e tocada no ano passado, entre as 636 canções que ele registrou.

Hit

A música é do já longínquo ano de 1966: ´Como é grande o meu amor por você´: “…Nem mesmo o céu nem as estrelas/ Nem mesmo o mar e o infinito/ Nada é maior que o meu amor/ Nem mais bonito…”

Serviço

Veja aqui a música consagrada de Roberto Carlos.

Irônico

“O coronavírus matou o mosquito da dengue”.

Presidente Bolsonaro, ontem, ao novamente contestar o número de mortes por Covid-19.

Mal na foto

O Jornal da Band (Rede Bandeirantes) divulgou, dias atrás, uma pesquisa sobre a opinião dos brasileiros acerca do trabalho da Câmara Federal, do Senado e do Supremo Tribunal Federal.

Ruim ou péssima é a avaliação predominante, conforme o instituto PoderData.

Corte

Dos pesquisados, 42% consideram o trabalho dos ministros do STF como “ruim ou péssimo”, 36% avaliaram como “regular” e 16% como “bom ou ótimo” – 6% não opinaram.

Na superfície

Para 45% das pessoas ouvidas, a avaliação do desempenho dos deputados é “ruim ou péssimo”.

Outros 41% consideram “regular” e apenas 11% avaliam como “bom ou ótimo” o trabalho realizado na Câmara.

Menor desgaste

O Senado teve desempenho um pouco melhor. A maioria avalia a performance dos senadores como “regular” (46%), enquanto 40% reprovam ao opinar como “ruim/péssimo”.

Apenas 8% deram “bom ou ótimo” – 6% não responderam

A pesquisa foi realizada no final de março. Foram realizadas 3.500 entrevistas em 541 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 1,8 ponto percentual.

Lula vai ´rifar´ candidaturas do PT em muitos estados...
Share this page to Telegram

Arquivo da Coluna

Arquivo 2019 Arquivo 2018 Arquivo 2017

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube