Jornalista há quase 30 anos, escreve a coluna Aparte desde 1991. Já trabalhou em TV, rádio e foi editor chefe do Jornal da Paraíba e colunista das TVs Cabo Branco e Paraíba. É comentarista político das rádios Campina FM, Caturité AM e editor do portal de notícias Paraibaonline.

sexta-feira, 13/04/2018

Alívio (parcial) ao PP

´Clube dos Quatro´

Os prefeitos de Campina Grande e João Pessoa, Romero Rodrigues e Luciano Cartaxo, respectivamente, como também o senador Cássio Cunha Lima e o vice-prefeito pessoense Manoel Júnior iriam se reunir na noite de ontem, em Brasília, para conversar acerca da sucessão estadual.

Com Zé

Também por lá, o senador José Maranhão (MDB) teve um encontro, ontem, com o vice-prefeito campinense Enivaldo Ribeiro (PP) e a deputada Daniella Ribeiro.

O preço

O empresário campinense Artur Bolinha Almeida disse ontem na Rádio Caturité que os posicionamentos políticos que tem assumido chegam a provocar, em alguns momentos, o seu “isolamento político e até social”, mas que era um ônus quase inevitável.

Eco

Ele explicou que decidiu encarar uma campanha proporcional depois de ser convencido por amigos, pelo partido e por correligionários de que “sem mandato, a capacidade de reverberação das ideias e propostas é restrita”.

Uma surpresa

Ao avaliar o quadro eleitoral após o término do prazo legal para a desincompatibilização de quem ocupa cargos executivos, Bolinha comentou que “a única surpresa foi o ´fico´ do prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo”.

Imperceptível

“Não percebi, em nenhum momento, movimento efetivo de Romero para sair”, adendou.

Vento a favor

À ótica do empresário, filiado ao PPS, o novo momento político se configura como propício para o crescimento da pré-candidatura de João Azevedo (PSB) a governador.

Sem jeito

Artur Bolinha antecipou que não apoiará a provável candidatura do deputado Veneziano (PSB) ao Senado, como também o deputado Luiz Couto (PT), se ele postular uma cadeira de senador.

“Eles têm posições que eu não defendo”, justificou.

Sucessão

Deusdete Queiroga, ex-presidente da Cagepa, é o sucessor de João Azevedo na Secretaria de Infraestrutura do Estado.

Consumação

“É parte do meu sonho que se realiza!”

Foi o que disse o empresário Francisco Buega Gadelha, ao lançar ontem o shopping Pátio Cidade Nova, no bairro de Bodocongó (antigas instalações da indústria Rovsa).

“Estou aqui desde 1974”, emendou.

Data marcada

O empreendimento, com previsão de inauguração para o dia 28 de novembro próximo, deverá contar com 100 lojas (duas ´âncoras´ – lojas de maior porte), além de um agradável espaço de lazer.

Vagas

O espaço terá três pavimentos, praça de alimentação, mais de 200 vagas de estacionamento, sete quiosques, quatro lojas de serviço e previsão de gerar 600 empregos diretos.

Carência

Para o consultor nesse segmento de shopping, Eduardo Lemos, de Pernambuco, “existe uma demanda reprimida muito forte” nessa área de Campina Grande.

Ele destacou que o novo empreendimento foi planejado “com o tamanho certo”.

Vitrine

A quinta-feira foi pródiga de visibilidade de paraibanos na mídia nacional, a começar pelo governador Ricardo Coutinho (PSB) que revelou à Rede CBN de Rádio que as despesas de seu deslocamento até Curitiba (PR), esta semana, para uma visita ao ex-presidente Lula, foram custeadas com recursos do Estado.

´Oficial´

RC alegou que se tratou de uma visita (não consumada) “institucional”, para agradecer por tudo aquilo que o seu governo fez pela Paraíba.

Sem ressarcimento

Ele alegou que rotineiramente abre mão de “centenas” de diárias relativas aos seus deslocamentos pelo interior paraibano.

Estorno

Diante da repercussão do fato, Carlos Siqueira, presidente nacional do PSB, sugeriu em entrevista que     o governador realizasse o ressarcimento ao erário público do valor dessas despesas.

Devolução

“Eu acho que seria o ideal que ele fizesse isso (devolução). Talvez pela pressa da viagem, ele não tenha feito isso. Mas eu creio que isso é um problema menor que pode ser resolvido dessa forma, se ele entender assim”, comentou Siqueira, que também cogitou a possibilidade de o diretório nacional do PSB fazer o ressarcimento.

Delação revisitada

O site da revista Época divulgou que o funcionário do Senado Luiz Stern, ligado ao senador Cássio, “propõe uma acareação com Alexandre Barradas, delator do grupo Odebrecht. A colaboração de Barradas levantou suspeitas sobre a participação de Stern na intermediação do repasse de R$ 800 mil ao parlamentar nas eleições de 2014”.

Vinculação

O jornal O Globo (RJ) associou o pedido do vice-procurador-geral da República, o paraibano Luciano Mariz Maia, para que o processo contra o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) fosse remetido do Superior Tribunal de Justiça para a Justiça paulista, ao fato de Mariz ser primo do presidente da Câmara Federal, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Rito

“A competência, sendo então governador, era do STJ. Deixando de ser governador, é do juízo eleitoral do lugar onde o fato (declaração de prestação de contas) se deu”, esclareceu o sub-procurador-geral.

´Caixa 2´

Ainda conforme Luciano Mariz, “a questão é simples: as referências a Geraldo Alckmin (na delação da Odebrecht) foram no sentido de que teria recebido contribuição para campanhas eleitorais, e tais recursos não teriam sido declarados à Justiça Eleitoral. A investigação se deu sobre esses fatos. Não havia elementos para ir além disso”.

Rumo ao…
Ainda ´O Globo´. O jornal publicou que a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, “não encontrou provas” de um repasse de R$ 2,7 milhões a seis deputados do PP – incluindo o líder do governo na Câmara Federal, Aguinaldo Ribeiro (PB) – e um ex-parlamentar do partido nas eleições de 2010, e pediu que a investigação contra eles seja arquivada.

… Relator

A solicitação foi enviada para o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal.

Apuração que segue

Na sua solicitação, a procuradora frisa que o pedido diz respeito apenas ao suposto pagamento feito nas eleições de 2010.

Segue em investigação outro fato: a suspeita de realização de um contrato fictício em 2011. Aguinaldo Ribeiro também é investigado nesse caso, ao lado do senador Ciro Nogueira (PI) e do deputado Arthur Lira (AL), ainda conforme o jornal.

E se Lula e Temer chegarem a ´morar juntos´ em breve?...
Simple Share Buttons