Fechar

Fechar

Arimatéa Souza

sábado, 24/12/2016

A saudade como luz

Última sessão

Está programada para a próxima terça-feira a votação do Orçamento da Prefeitura de João Pessoa para 2017, no Poder Legislativo. Será a despedida da atual legislatura.

30A previsão de receita para JP passa de R$ 2,5 bilhões.

Confirmado

O prefeito Luciano Cartaxo (PSD-JP) informou ontem que o jornalista Josival Pereira continuará à frente da Secretaria de Comunicação da PMJP.

Milhares

O balanço divulgado, no final da tarde de ontem, pela direção do Sintab, aponta que aproximadamente 13 mil pessoas já assinaram o abaixo-assinado contra a introdução do 13º salário para os vereadores campinenses.

Definida

Será às 10 horas do dia 1º de janeiro, nas dependências do Poder Legislativo, a solenidade de posse dos novos vereadores e eleição das próximas mesas diretoras da Câmara campinense.

Longe do foco

Foi distante – na rodovia estadual que dá acesso ao distrito de Catolé de Boa Vista – o local da confraternização entre os vereadores campinenses e os funcionários da ´Casa de Félix Araújo´, ocorrida ontem.

Quase um…

Sou uma pessoa avessa à impessoalidade dos obituários, à citação sumária e fria das pessoas que partem.

… Número

Esses registros comportam histórias tímidas ou limitadas, mas que carregam em si a importância da singularidade.

Ícones

Isso é ainda mais indesejável quando a despedida – ou a partida, como queiram – acontece com pessoas que fizeram de suas existências um marco perante o mundo a que pertenciam.

Que foram, em alguma medida, instrumentos e condutores de ensinamentos coletivos.

Renascer

Resgato duas saudades recentes justamente nos instantes que precedem a ´conversão´ do advento em nascimento do Cristo Salvador.

É que quem semeia o bem pela vida, com a força do exemplo, tem vida eterna.

Bússola

Primeiramente, enfatizo o óbito do jornalista Villas-Boas Côrrea, o grande ´guru´ dos colunistas políticos brasileiros nas últimas décadas, possuidor de um texto refinado e envolvente.

Ele foi uma espécie de referência ao longo de minha trajetória profissional.

Declive

“A política hoje é uma encenação de política”, lamentava o lendário jornalista.

Conselho

Villas costumava repetir uma máxima, em forma de catequese: “Nunca escreva algo sobre alguém que o impeça de cumprimentar essa pessoa no dia seguinte. Comente posturas e condutas, nunca indivíduos”.

Profissão…

O outro vazio recente é o do inesquecível cardeal arcebispo emérito de São Paulo, dom Paulo Evaristo Arns, um franciscano que fez da simplicidade e do apego ao Evangelho a sua fortaleza.

… De fé

Apostar – sempre – na esperança, refugando o pessimismo, para ele significava uma atitude cotidiana.

Cruzada

Ainda padre, no começo da década de 60 do século passado, juntamente com cerca de 40 sacerdotes brasileiros que compareceram ao Concílio Vaticano II, eles firmaram um compromisso de regressar ao País e vivenciar, na plenitude, os ´ventos novos´ que começavam a soprar da milenar Igreja Católica.

Vida nova

Simplificadamente, isso significava regressar às suas cidades e dioceses e viver como pessoas simples, integradas às comunidades, relegando a ostentação dos palacetes episcopais.

Inspiração

Esse compromisso entre os religiosos foi denominado de ´Pacto das Catacumbas´, numa referência ao local (em Roma) que servia de esconderijo para os primeiros cristãos, diante da perseguição.

Abrigo

Sagrado bispo na década de 60, dom Paulo decidiu – para surpresa geral – vender palácios de propriedade da Arquidiocese de São Paulo.

Com o dinheiro arrecadado, construiu centros comunitários para acolher os migrantes, notadamente os nordestinos.

O detalhe

Na sua ordenação episcopal estava presente à cerimônia dom Anselmo de Pietrulla, que foi o 1º bispo da Diocese de Campina Grande.

Desiderato

Aguerrido combatente da ditadura militar, especialmente na sua face mais violência, repressiva e torturadora, o cardeal Arns fez da “opção preferencial pelos pobres a sua razão e motivação para a vida. Esse é o seu legado e o seu chamamento profético para todos”, realçou um de seus principais e próximos colaboradores, o padre Júlio Lancelloti.

Olhar à frente

Outro colaborador cotidiano, o teólogo Fernando Altemeyer recordou em recente entrevista que dom Paulo, no início da década de 70, começou a promover encontros de intelectuais – batizados de ´reunião dos loucos´ – para pensar o Brasil quando a ditadura acabasse, o que só ocorreria efetivamente 19 anos depois.

Refúgio

“A Arquidiocese de São Paulo tornou-se uma espécie de pátio dos milagres, pela quantidade de deserdados políticos que abrigou, como primeiro porto de arribação na fuga das ditaduras (…) Era o pulmão que permitia alguma respiração fora do ar tóxico das ditaduras”, recordou o renomado jornalista Clovis Rossi, do jornal Folha de São Paulo.

Ímpar

Rossi também se permitiu uma revelação: “Dom Paulo é o único personagem público realmente inesquecível, das centenas que conheci em mais de meio século de jornalismo”.

Dispersão

A divisão (por cinco) da Arquidiocese de São Paulo, na década de 90, pelo papa João Paulo II, o abateu profundamente.

Obstinação

Mesmo assim, seguiu determinado até a aposentadoria em 1996. Afinal de contas, o seu lema episcopal não comportava dúvidas: “De Esperança em Esperança”.

Ou “ex spe in spem” na expressão original, em latim.

Autenticidade

Em recente texto, o teólogo Leonardo Boff acentuou que “fica na memória um cardeal que sempre esteve do lado dos pobres e que jamais deixou que o grito do oprimido, por seus direitos violados, ficasse sem ser ouvido. Ele é uma referência perene de bom pastor, que dá sua vida pelos pequenos e sofredores deste mundo”.

Ereto

“Dom Paulo nunca curvou a fronte diante dos poderosos”, registrou o jornalista e escritor Luiz Fernando Toledo (SP).

Reconhecimento

Ao tratar sobre a morte do cardeal, o papa Francisco afirmou que ele “se revelou autêntica testemunha do Evangelho no meio do seu povo, a todos apontando a senda da verdade na caridade”.

Timoneiro

“Não nos esqueçamos de que nas crises, nos sofrimentos, dom Paulo, pastor e profeta, sempre dizia para o povo: ´Confiança, vamos avante´,” sublinhou dom Angélico Sândalo Bernardino, seu ex-bispo auxiliar.

Epígrafe

Nos meses derradeiros de vida, ao ser perguntado como gostaria de ser lembrado, Dom Paulo – doutor pela renomada Universidade de Sorbonne (França) – verbalizava uma frase singela, mas fidedigna à sua trajetória: “Amigo do povo”.

Síntese

A melhor tradução de dom Paulo Evaristo Arns veio de sua secretária por 40 anos, Maria Ângela Borsoi: “Ele viveu 95 anos de uma vida maravilhosa. E graças à fé cristã, na vida imortal junto de Deus e sabendo que era o sonho dele encontrar com Deus. Ele já sonhava com o encontro final por causa da fé na ressurreição e na vida eterna. Ele chegou finalmente onde sonhava, para sempre”.

Natal de conversão

É sob a inspiração desse ser humano singular e atemporal que externo o desejo de um Natal genuíno, com Cristo renascendo em nós para metamorfosear nossa existência no que ela deixa de corresponder à força de Seu exemplo.

Que essa noite não seja apenas uma a mais em nossas vidas.

“... Dorme em paz, ó Jesus...”
Simple Share Buttons

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube