Fechar

logo

Fechar

Arimatéa Souza

terça-feira, 24/12/2019

A intuição de João

Microfone

Num intervalo inferior a 12 horas, Ricardo Coutinho e João Azevedo se pronunciaram publicamente sobre a enxurrada de denúncias (e de delações) acerca do grupo político que integravam.

A coluna resume a seguir os principais trechos de mais de 70 minutos de declarações, começando pelo ex-governador paraibano.

Inimaginável

“Em minha vida nunca imaginei que alguém fosse fazer um pedido de prisão para mim, me acusando de ser chefe de uma organização criminosa. Já vi todo tipo de combate, mas esse me chocou.

Anúncio da prisão

“(quando tomou conhecimento) Imediatamente fui comprar uma nova passagem e voltei no primeiro voo para o Brasil. Comuniquei à Polícia Federal a minha passagem. Jamais passaria por minha cabeça não voltar, não faria sentido.

Escalada

“Esse assassinato de reputação vem sendo feito desde o início do ano (…) Imagina eu fugir! Por que e para onde?

Significado

“Eu considero essa prisão, como algumas outras que estão acontecendo no Brasil, completamente arbitrárias. Não é possível que prisão preventiva se torne um método de interrogatório. Por que não chamaram antes para perguntar? Eu daria as respostas (…) É algo terrível.

´Caça´

“Houve uma perseguição aos melhores quadros que o governo (João Azevedo) tinha.

Prisão

“Se forçou uma barra para o espetáculo de me ver preso, para isso ter algum efeito possivelmente nos debates políticos.

Tese

“O que existe concretamente é um esforço enorme de negar um projeto que mudou este Estado com uma força muito grande (…) Não se podia fazer o que nós fazemos deixando a mesma equação orçamentária que existia antes; os mesmos benefícios que existiam antes. Foi isso o que o Estado assistiu.

“Como?”

“Não há uma crítica à (minha) gestão. Como você teria no Estado uma organização criminosa agindo, sem prejudicar os serviços públicos? Se encontrarem provas reais e concretas contra alguém, que faça o devido processo, que a pessoa vá responder e pague.

Comparativo

“Quando eu assumi (o governo), o Trauma (de JP) tinha 148 leitos e fazia 4 mil cirurgias por ano. Hoje o Trauma tem 331 leitos e faz 17 mil cirurgias anuais.

Vazamentos

“Claramente é um áudio truncado, com alterações.

Negativa

“Não recebo dinheiro de absolutamente ninguém. Não recebo nada que não esteja dentro dos meus vencimentos (…) Meu patrimônio é absolutamente compatível com o que eu ganhei ao longo desses anos. Eu não tenho nenhum deslize.

Registro

“Eu lamento pelo sofrimento que elas tiveram (as pessoas que fizeram delação).

“Ódio”

“Quem me conhece sabe a forma até mesmo simplória que eu vivo, dos meus hábitos. Não tenho hábitos fora de um cidadão de classe média. Mas existe uma espécie de ódio gerado na política, que é muito forte na Paraíba.

Dimensão

“Eu tenho noção dos riscos que se corre (na política)

Passo à frente

“Houve uma proposta para se ajudar a campanha (de 2018). Eu encaminhei para outra pessoa e não sei se houve efetivamente o apoio, porque não é comigo nem nunca foi comigo isso.

Fora da disputa

“Um detalhe: eu não fui candidato (em 2018). Ou seja, eu não tenho nenhum benefício próprio, absolutamente nada, em tudo isso. As coisas passam como se você tivesse sempre um interesse próprio.

Número 1

“Márcia Lucena (prefeita da cidade do Conde, que também foi presa) é, sem dúvida nenhuma, a melhor prefeita da Paraíba. Ela é um orgulho!

“Revolução”

“Na essência, o que nós estamos atingindo é a continuidade da criminalização da política (…) Se tenta negar tudo que a Paraíba mudou, e é indiscutível a mudança. Imagine se os hospitais não funcionassem!? Fizemos uma revolução na saúde e aumentamos os investimentos.

Perseguição

“Estamos vivendo um processo de caçada violenta a um projeto, a um grupo, a uma família e a uma pessoa.

Rito

“Se você tem provas contra alguém, você tem o direito e o dever de denunciar, dentro dos tramites legais; oferecer a oportunidade de defesa e condenar caso as provas sejam concretas. E acabou. É assim a justiça em qualquer parte civilizada do mundo. Mas você não pode fazer abuso de instrumentos, como temos vistos pelo Brasil afora.

Marcação em cima

“Eu fui o governo mais fiscalizado da história da Paraíba. Eu não podia fazer nada, que tinha sempre algo contra, imediatamente (…) Tivemos choques dentro da normalidade democrática.

Tolerância

“Na UEPB nomeie duas vezes um reitor (Rangel Júnior) que era ostensivamente contra a minha gestão.

Nunca antes

“O dinheiro da Paraíba nunca rendeu tanto como nos meus 8 anos (de governo). Como é que querem tachar esse governo de corrupto?

Pedido

“Peço à Paraíba que, antes de julgar, conheça os fatos (…) Sou uma pessoa correta (…) Você tem aqui uma dúzia de pessoas que vive em função da minha pessoa, me caluniando de manhã, de tarde e de noite.

Pode apurar

“Eu não tenho nenhum problema de ser investigado (…) Se tem que se fazer apuração, que se faça. Mas não se tente destruir todo o processo de mudanças positivas que este Estado teve.

Mídia

“Tem meios de comunicação que não gostam de mim, e têm razão para isso, porque eu tenho outras prioridades e sempre disse isso.

Medrosas

“O que está em jogo é uma tentativa de se destruir toda uma lógica de mudanças que este Estado experimentou, e que agora, infelizmente, está paralisada em função de pessoas que assumiram compromissos de continuar a mudar, mas que não têm a coragem necessária para avançar”.

Governador

Agora trechos da fala de João Azevedo, em entrevista coletiva na manhã de ontem, no Palácio da Redenção.

Agir

“Não é factível dizer que o modelo de OSs (organizações sociais) não funciona (…) No caso da Paraíba, teve problema seríssimo com as OSs, que gerou todos esses problemas. Entretanto, como aqui esse modelo se apresentou ineficiente, e não trouxe os resultados mais amplos de transparência, nós tivemos que tomar providências.

Legado

“Quando chegamos ao governo em 2019, nós encontramos uma situação, com relação às OSs, que tinha todo tipo de problemas: contratos vencidos, contratos que não foram renovados.

Ação ativa

Desde o início da gestão nós começamos a tomar medidas, em função das denúncias que apareceram”.

Pausa

João Azevedo anunciou o fim de todos os contratos com as OSs na área da saúde.

Novo…

O setor de Saúde será gerido diretamente pela Secretaria de Saúde com o apoio de uma fundação que está sendo criada, chamada de PB-Saúde.

… Modelo

A PB-Saúde assumirá a gestão dos hospitais da rede estadual, inclusive o Hospital de Trauma Dom Luís Gonzaga Fernandes, de Campina Grande.

Operação Calvário

“(retomada das declarações de João) Não teve acesso ainda ao processo. Assim que tiver darei as explicações. Farei a defesa e estarei à disposição da Justiça para esclarecer qualquer dúvida que surja.

Sem contato

“Eu jamais sentei, com quem quer que fosse, para discutir a continuidade de OS, até porque, na boca pequena, as pessoas diziam claramente que ´esse cara´ é contra as OSs (…) Se esse foi o motivo do rompimento (com Ricardo), aí o julgamento são vocês (jornalistas) que têm que fazer.

Condução

“A campanha de 2018, ela foi estabelecida e teve determinação direta, no sentido de que ela fosse feita exatamente com os recursos oriundos do partido, através do fundo (eleitoral). Essa foi a campanha que foi feita, com indicação dos recursos, cuja prestação de contas teve aprovação por unanimidade. Essa foi a minha determinação.

Ressalva

“Se, durante o processo, alguém se aproveitou do momento político para agir de forma errada, essas pessoas vão responder por seus atos.

“Talvez”

“Nesse governo não tem continuidade de corrupção. Nesse governo nós não iriamos, de forma nenhuma, compactuar com qualquer desvio de recursos, tanto que nós tomamos todas as medidas. Talvez essas medidas tenham desagrado a muita gente. Mas aí é um outro problema, e não me cabe aqui fazer comentários (…) Não houve não há e jamais haverá compromisso com qualquer ato ilegal de minha parte.

Demarcação

“Não existe essa de separar o nome de Ricardo Coutinho do meu governo. Os governos estão separados desde o dia 31 dezembro de 2018. No dia primeiro de janeiro de 2019, assumia um novo governador chamado João Azevêdo. A partir daí, eu me responsabilizo e assumo todos os atos desse governo. Antes, quem estava, que assuma. Não tem outra forma. A separação foi dada a partir da posse.

Descartada

“Eu não tenho a mínima preocupação com essa questão de renunciar. Não farei isso. Eu fui eleito por 1.119.758 pessoas neste Estado, que disseram sim, porque acreditaram naquilo que eu disse que cumpriria.

Sem juízo de valor

“Eu não vou fazer avaliação sobre participação de quem quer que seja nesse processo. Quem tem que fazer avaliação da investigação é o Ministério Público. É a justiça (…) Não serei eu que vai dizer o que alguém fez ou deixou de fazer, até porque eu não tinha conhecimento de nada disso.

Autônomo

“Não preciso procurar nenhum ex-governador para fazer gestão.

Próximos…

“Não tenho dúvida nenhuma de que vamos entrar num processo de vingança generalizada.

… Capítulos

“Não tenho dúvida de que muita coisa vai acontecer. O importante é estar com a consciência tranquila”.

Simples assim

O Natal, em nós, começa com uma espécie de redescoberta ou de renascer.

A mensagem natalina de APARTE vem no marcante Santo Agostinho: “Ele está deitado numa manjedoura, mas contém o universo inteiro. Mama num seio materno, mas é o pão dos anjos. Veio em pobres panos, mas reveste-nos de imortalidade. É amamentado, mas é também adorado. Não encontrou lugar na estalagem, mas constrói para si um templo no coração dos seus fiéis. Tudo isto para que a fraqueza se tornasse forte e a prepotência se tornasse fraqueza”.

Você leitor, é o melhor presente de Natal! Feliz Natal!...
Share this page to Telegram

Arquivo da Coluna

Arquivo 2019 Arquivo 2018 Arquivo 2017

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube