Comandante da Aeronáutica: “Homem armado não ameaça”

Da Redação. Publicado em 10 de julho de 2021 às 19:29.

FOTO: FABIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL

FOTO: FABIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL

Ao cabo de mais uma semana tensa no ambiente político nacional, notadamente entre a CPI da Covid, no Senado, e o governo federal, respingando nas Forças Armadas, uma voz emanou ontem dos quarteis para tratar das seguidas denúncias envolvendo militares que ocupam postos civis no Ministério da Saúde.

Essa voz foi a do comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Carlos de Almeida Baptista Junior, que concedeu entrevista ao jornal O Globo. 

É importante reproduzir algumas de suas declarações. É o que segue. 

Atribuição

“Cada instituição do país tem a obrigação de se preocupar com a democracia e o respeito às instituições. E nós, instituição militar, não abriremos mão disso.

CPI da Covid

“Não gostaria de entrar nessa avaliação da CPI. Não cabe às Forças Armadas opinar.

´Golpe´ no ar?

“Não… Homem armado não ameaça. Não existe isso. 

No ´subsolo´

“O comportamento de cada um de nós, das autoridades, exige ponderação e entendimento do todo. E essa disputa política do país é normal, mas sinto ser em tão baixo nível, em nível muito raso. Sinto que esta disputa deve ter como limite os riscos que ela pode trazer à institucionalidade do país. 

Limite

“Essa disputa política não pode ultrapassar os limites da aceitabilidade, que começa pelo respeito às instituições, entre os Poderes. E aí estou falando em tese. Não estou dando recado para ninguém.

Denúncias contra…

Estes ataques desnecessários, volto a dizer, não podem… Façam o devido processo legal, apurem as responsabilidades, doa a quem doer. Não temos qualquer intenção de proteger ninguém que está à margem da lei. 

… Militares

“O estado democrático de direito, que é uma unanimidade da sociedade, exige que os princípios legais sejam seguidos. E que ninguém seja julgado prematuramente. 

Mas, uma vez comprovado que agiu à margem da lei, que cada um pague na forma da lei.

Obediência

“As Forças Armadas continuam com seu princípio legalista e de acatamento à Constituição.

Diferencial 

“Não estou aqui num devaneio de que os militares sejam 100% diferentes dos não militares. Logicamente que nós também temos problemas de desvios de conduta interna. Mas, existe, sim, uma característica em relação aos militares: nós não somos lenientes com isso, na medida em que a gente saiba. Isso é muito importante. 

Ação

“A Força Aérea acaba de expulsar sete oficiais por envolvimento com atividades ilícitas. Ou seja, nós não somos lenientes com desvios. Nem desvios administrativos nem de comportamento.

Incômodo

“Essa ideia de que nós temos um governo militar, nós vemos claramente isso como uma pauta. E isso sim, tem nos desagradado muito. Uma pauta de parte da oposição, dentro do jogo político. E eu não estou me metendo no jogo político de governo e oposição. 

Versão

“Esta pauta de colocar no imaginário popular que os militares, principalmente os de mais alta patente, não são tão honestos, sequer tão capazes, é uma pauta que parte da imprensa vem tentando incutir nas suas matérias. E parte da oposição também”. 

Ainda o comandante da Aeronáutica: “A sociedade já, há algum tempo, está muito polarizada. Há mais de dez anos. As pessoas pararam de ouvir o outro lado. O diálogo passa a ser desnecessário. As pessoas estão ficando mais surdas, mais radicais nas suas posições, e isso é ruim para a sociedade. 

“A sociedade deve discutir democraticamente, entender o ponto de vista do outro, reduzir inflexibilidade, entender as dificuldades da sociedade… Hoje, quem fala mal de alguma coisa não escuta nada sobre qualquer coisa boa do outro lado, e vice-versa”.

*com informações do jornal O Globo

Share this page to Telegram
Matérias Relacionadas

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube