Narrador da Rede Globo: mulher na narração é caminho sem volta

Da redação com Folhapress. Publicado em 14 de junho de 2021 às 16:40.

Foto: Globo

Foto: Globo

LUCIANO TRINDADE
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Vozes masculinas narraram quase todos os principais momentos do esporte brasileiro desde 19 de julho de 1931, quando o locutor Nicolau Tuma (1911-2006) fez a primeira transmissão esportiva no país, com o microfone da Rádio Educadora Paulista.

Foi só na década de 1970 que Zuleide Ranieri (1945-2016) se tornou a primeira mulher a comandar um evento esportivo no rádio. Na televisão, a estreia foi ainda mais tardia, em 1997, com Luciana Mariano, na TV Bandeirantes.

“A sociedade é machista, muitas vezes preconceituosa, elitista e barra a possibilidade de muitas pessoas se apresentarem, crescerem e ganharem espaço”, diz ao jornal Folha de S.Paulo Cléber Machado, narrador da TV Globo desde 1988. “Felizmente, as coisas estão melhorando. As pessoas estão preocupadas em combater, denunciar e protestar.”

Para ele, também é preciso promover a inclusão. Na emissora carioca, levou-se exatos 55 anos para que uma narradora ganhasse espaço.

No dia 10 de março deste ano, Renata Silveira [foto] tornou-se a primeira mulher a narrar uma partida de futebol -entre Moto Club e Botafogo, pela Copa do Brasil- em um dos canais do grupo (SporTV).

“Se alguém ainda precisa ‘acostumar o ouvido’, vai acostumar. Não tem volta, é uma inclusão necessária”, defende Machado.

Depois de Renata, que veio dos canais Fox Sports, a Globo contratou recentemente Natália Lara, ex-ESPN.

“Elas fazem a transmissão no padrão que se faz transmissão [na Globo]. Identificam os caras, crescem nos lances próximos da grande área, são bem informadas e entendem de futebol. Têm as características necessárias para quem transmite um evento esportivo”, elogia o narrador.

Ao longo do tempo, cada uma delas também poderá desenvolver seu estilo próprio, com bordões e frases marcantes para o público, como fizeram Galvão Bueno, Silvio Luiz e Luciano do Valle (1947-2014), narradores que, segundo Cléber, reúnem as bases para o exercício da profissão.

“Nós temos a descontração do Silvio Luiz, aquela transmissão apaixonada do Luciano do Valle e a técnica, vibração e emoção do Galvão. Esses três narradores são a base do que nós fazemos hoje”, diz.

Desde o início da pandemia de Covid-19, em março de 2020, o desafio para os narradores é encontrar o tom adequado para promover a euforia e a alegria provocados pelo esporte em meio ao momento de tristeza pelo crescente número de mortes.

Para Cléber, não há como não lembrar o estrago proporcionado pelo vírus mesmo durante uma partida de futebol. A Globo sempre informa o número de pessoas infectadas, mortas e vacinadas antes de cada jogo, seguido do respeito ao minuto de silêncio.

“Ao mesmo tempo, você não vai passar o jogo inteiro falando da tristeza porque talvez o jogo seja até o momento da pessoa desanuviar”, comenta.

A ausência de torcedores nos estádio também reflete no trabalho do profissional. Sem os gritos e reações vindos das arquibancadas, há a necessidade de buscar outros elementos para compor a transmissão.

O narrador cita alguns, como os cartazes e mosaicos colocados nas arquibancadas e o serviço de som dos estádios, que reproduzem cânticos dos torcedores.

Há ainda as reações das torcidas nas redes sociais. Aos 59 anos, porém, Cléber Machado não é adepto de meios como o Twitter, o Instagram e o Facebook.

Ele aponta a toxicidade presente nas redes como um dos motivos que o afasta de criar perfis. “Eu fico com a sensação de que quem se manifesta nunca se manifesta muito favoravelmente”, diz.

“Além disso, penso que, se a pessoa fica fissurada com o número de seguidores, vira uma doença. Se ficar exultante ou triste por causa dos comentários, vira um problema. Então, acho que é por isso que eu fico ponderando.”

Durante as transmissões, prefere ficar atento ao painel que indica a audiência da Globo e das emissoras concorrentes. Principalmente durante as partidas do Campeonato Brasileiro, o principal torneio de clubes do portfólio atual da Globo.

“É o campeonato que mais mexe com o público brasileiro. E que envolve vários estados, cidades. Este ano, nós temos dois estados a mais, então são 11 ao todo”, ressalta o narrador.

Share this page to Telegram
Matérias Relacionadas

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube