Fechar

logo

Fechar

Estudo: público reconhece trabalho da imprensa durante pandemia

Da redação com Folhapress. Publicado em 23 de junho de 2021 às 9:07.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

NELSON DE SÁ
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Em sua décima edição, o Relatório de Mídia Digital do Instituto Reuters faz um balanço do impacto da pandemia sobre o jornalismo no mundo e conclui que veículos e profissionais se beneficiaram da demanda por informação mais confiável.

“Pode ser um efeito temporário, mas em quase todos os países vemos o público valorizando mais as fontes de notícias precisas e confiáveis”, diz Nic Newman, principal responsável pelo estudo.

Por outro lado, a pandemia acelerou a mudança dos meios estabelecidos para o ambiente digital, inclusive redes sociais, dificultando ainda mais a sustentação financeira das organizações.

Agora abrangendo 46 mercados, com o acréscimo de seis ao levantamento do ano passado, a média da confiança no jornalismo cresceu seis pontos, para 44% que afirmam confiar nele o tempo todo.

Dos 46, os Estados Unidos são aquele com menor taxa de confiança, 29%, o que o relatório avalia refletir “a eleição desagregadora e as sequelas do assassinato de George Floyd”.

A Finlândia lidera em confiança no jornalismo, com 65%, e o Brasil não vem muito atrás, sétimo país na lista, com 54%.

O estudo alerta para uma mudança na coleta dos dados sobre o Brasil, neste ano, sugerindo que “devem ser evitadas tentativas de interpretar a alteração [nos números] de 2020 para 2021”.

Paralelamente à confiança, o estudo volta a levantar a preocupação com desinformação, que se manteve alta, e destaca o Brasil, com 41%, lembrando que “o presidente Jair Bolsonaro fez muitas afirmações falsas sobre a pandemia”.

No Brasil e noutros países emergentes, como a Malásia, a maior preocupação com desinformação é relacionada à disseminação por aplicativos de mensagem como WhatsApp e Telegram.

O relatório ressalta o avanço de novas plataformas de mídia social, para o consumo de informação online, ao mesmo tempo em que o “Facebook se tornou menos relevante para o jornalismo no último ano”.

“O coronavírus e o movimento Black Lives Matter acentuaram o compartilhamento de postagens relacionadas a notícias no TikTok”, afirma. “A rede tem sido o centro de uma onda de protestos de jovens pelo mundo, em países como Peru, Indonésia e Tailândia.”

Na plataforma de origem chinesa e noutras, como Instagram e Snapchat, o estudo sublilnha que “os influenciadores têm um papel muito maior do que em redes mais tradicionais como Facebook e Twitter”.

Co-autora do estudo, Simge Andi, da Turquia, avalia que a baixa presença em plataformas como TikTok de jornalistas profissionais, mais voltados ao Twitter, pode tornar os usuários mais jovens “especialmente vulneráveis à desinformação”.

De qualquer maneira, “as expectativas de conteúdo ágil, visual e divertido [nessas redes] nem sempre acontecem naturalmente para Redações compostas por jornalistas experientes com foco em formatos tradicionais”.

O Relatório de Mídia Digital foi escrito com base em levantamento encomendado ao YouGov e parceiros, entrevistando cerca de 2.000 pessoas em cada um dos 46 mercados, entre janeiro e fevereiro de 2021.

Share this page to Telegram
Matérias Relacionadas

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube