Dia Mundial do Café. Especialista esclarece dúvidas sobre o queridinho do brasileiro

Da Redação. Publicado em 14 de abril de 2021 às 17:24.

Hoje, dia 14 de abril, é o Dia Mundial do Café. A bebida é muito consumida pelo mundo inteiro, e não é diferente no Brasil. O especialista Ari César esclareceu algumas dúvidas sobre o assunto, durante entrevista a uma emissora de rádio campinense.

“Para algumas pessoas, café é tudo a mesma coisa, mas, não é. A gente tenta levar esse conhecimento no sentido de mostrar que às vezes um bom café pode fazer a diferença, e esse bom café pode vir a partir do grão que você escolhe, do tipo do café, a forma de extração, e várias curiosidades e características que demonstram”.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Ari destacou que existem dois tipos de cafés básicos, são eles: o robusta, comumente utilizado para cafés mais tradicionais, e o arábica, normalmente oferece grãos com maior qualidade, comumente utilizado para cafés mais especiais.

 

– O que é o diferencial de um café tradicional para um especial? Uma coisa básica é o grão, depois disso têm algumas outras características, que a gente chama de sensoriais. Por incrível que pareça você vai ter cafés que têm notas de cana de açúcar, outro de erva doce, e isso você pergunta: “consegue perceber?”. Percebe, porém, você precisa, obviamente, de um pouco de treino do paladar e cérebro – completou.

Ainda sobre o robusta, o especialista disse que eles costumam passar por um processo de uniformização, por uma torra mais intensa.

“Quanto mais intensa a torra, mais queimado a bebida fica e isso vai dar uma sensação um pouco mais de amargor, que eu particularmente não gosto, mas muita gente gosta”, explicou, pontuando que não existe preconceito com o café tradicional.

Ari enfatizou ainda que hoje o Brasil possui um mercado extremamente interessante, sendo, segundo ele, o maior produtor mundial do café, apesar de não ser o maior consumidor.

“Não somos o maior consumidor, alguns países europeus estão na frente. O Brasil, salvo engano, é hoje o 15º em consumo per capita, em torno de 5 a 6 kg por pessoa ao ano, alguns países europeus consomem em torno de 12 a 13 kg de café por ano”, ponderou.

Por fim, ele ainda respondeu uma das dúvidas mais difundidas sobre o consumo do queridinho do Brasil: “Deve colocar açúcar?”

– Eu sempre digo o seguinte: beba primeiro, aí você sabe a quantidade de açúcar que você vai precisar ou não. É muito comum você vender um café e essa pessoa colocar três sachês de açúcar, você não sabe nem o que está bebendo, porque o açúcar vai mitigar o sabor do café, você só vai sentir o doce – finalizou.

Share this page to Telegram
Matérias Relacionadas

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube