Crédito mais barato para mulheres empreendedoras. Saiba detalhes

Da redação com Folhapress. Publicado em 9 de abril de 2021 às 9:06.

Foto: Agência Brasil

Foto: Agência Brasil

CRISTIANE TEIXEIRA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Ao menos duas instituições bancárias e uma cooperativa lançaram no último mês linhas de crédito focadas em empreendedoras.

O Banco do Povo, de São Paulo, por meio da linha Empreenda Mulher, o Banco do Nordeste, com a Crediamigos Delas, e a Sicredi Campos Gerais PR/SP se juntam a outras iniciativas que reduzem as taxas de juros e ampliam o prazo de pagamento para empréstimos tomados por mulheres donas de negócios.

Nenhum programa tem abrangência nacional, e a prioridade, em geral, reside no microcrédito assistido, que condiciona a liberação de capital à realização de cursos de qualificação e à orientação de especialistas. O teto para cada operação depende do perfil da beneficiária e da instituição financeira, porém não ultrapassa os R$ 21 mil.

Tanto no histórico do Banco do Povo quanto no do Banco da Mulher Paranaense, ligados a órgãos estaduais de desenvolvimento econômico, predominam os pedidos de empréstimo de baixos valores, mesmo antes do surgimento das linhas exclusivas para mulheres.

Na instituição paranaense, por exemplo, o ticket médio do microcrédito em geral foi de R$ 11,3 mil por solicitação atendida em 2020. Já no programa feminino, iniciado 19 meses atrás, a média está em R$ 12,19 mil.

No Banco do Nordeste, as mulheres correspondem a 65% da carteira ativa do Crediamigos, e a expectativa é que esse percentual cresça graças às vantagens da linha Crediamigos Delas.

Entre os bancos particulares, há aqueles que incentivam o desenvolvimento de negócios geridos por mulheres, como o Itaú, que há sete anos colocou de pé o Programa Itaú Mulher Empreendedora. A iniciativa, porém, não contempla linhas de crédito.

Com exceção ao Pronaf Mulher, destinado a investimentos agrícolas, até três anos atrás o mercado de crédito nacional não dispunha de nenhum tipo de financiamento específico para mulheres que querem ter o próprio negócio.

A situação começou a mudar quando o BDMG (Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais) colocou em campo o projeto Empreendedoras de Minas, em março de 2018. “As mulheres são bastante empreendedoras, porém encontram mais dificuldades para obter crédito e manter suas empresas abertas a médio e longo prazo.

Então resolvemos atacar essa questão”, diz Sergio Suchodolski, presidente do BDMG.

Segundo o executivo, que também preside a ABDE (Associação Brasileira de Desenvolvimento), a taxa de inadimplência costuma ser menor entre o público feminino do que na população em geral.

O BDMG estima que, em três anos, o Empreendedoras de Minas já atendeu cerca de 2.500 micro e pequenas empresas em mais de 330 municípios do estado.

“Todos os empreendimentos que geram valor e desenvolvimento são interessantes para nós. O que fazemos é analisar o histórico das empresas e impulsioná-las a dar o próximo passo”, afirma Suchodolski.

Conheça as linhas de crédito planejadas para contribuir com o empreendedorismo feminino. Todas elas estão sujeitas à análise cadastral.
*
BANCO DO POVO

Por meio do Empreenda Mulher, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo promove a qualificação e o acesso a empréstimos a empreendedoras formais e informais. Para as capacitações, a parceria é com o Sebrae e com a Aliança Empreendedora.

O programa existe há dois anos, porém a linha de microcrédito foi lançada somente agora, em março.

Empreenda Mulher – Capital de giro

Quem pode solicitar: Empreendedoras informais (pessoa física), microempreendedoras individuais (MEI) e donas de micro ou pequenas empresas de todo o estado de São Paulo que concluam um dos cursos do Empreenda Mulher oferecidos pelo Sebrae (Sebrae Delas) e pela Aliança Empreendedora (Formalização, Marketing Digital e Educação Financeira)
Limite de crédito: Até R$ 15 mil para PF e até R$ 21 mil para PJ (inclusive MEI)
Juros: Para PF: 0,8% ao mês + 1% de TSF (Tarifa de Sustentabilidade do Fundo) no ato; para PJ: de 0,35% a 0,55% ao mês + 1% de TSF no ato
Carência: Até três meses para PF e até quatro meses para PJ
Prazo de pagamento: Até 18 meses para PF e até 36 meses para PJ
Garantias: A empreendedora e seu negócio não podem ter restrições cadastrais nem no Cadin nem na Serasa
Como funciona A empreendedora deve procurar o Sebrae ou a Aliança Empreendedora para fazer um ou mais cursos do programa Empreenda Mulher. Com o certificado de conclusão em mãos, ela procura o Banco do Povo para obter o microcrédito
Contrapartida A contrapartida é anterior à obtenção do crédito, ou seja, é a capacitação que deve ser concluída

Empreenda Mulher – Investimento e Uso misto

Quem pode solicitar: Empreendedoras informais (pessoa física), microempreendedoras individuais (MEI) e donas de micro ou pequenas empresas de todo o estado de São Paulo que concluam um dos cursos do Empreenda Mulher oferecidos pelo Sebrae (Sebrae Delas) e pela Aliança Empreendedora (Formalização, Marketing Digital e Educação Financeira)
Limite de crédito: Até R$ 15 mil para PF e até R$ 21mil para PJ (inclusive MEI)
Juros Para PF: 0,8% ao mês + 1% de TSF (Tarifa de Sustentabilidade do Fundo) no ato; para PJ: de 0,35% a 0,55% ao mês + 1% de TSF no ato
Carência: Até quatro meses para PF e até cinco meses para PJ
Prazo de pagamento: Até 36 meses para PF e até 38 meses para PJ
Garantias: A empreendedora e seu negócio não podem ter restrições cadastrais nem no Cadin nem na Serasa.
Como funciona: A empreendedora deve procurar o Sebrae ou a Aliança Empreendedora para fazer um ou mais cursos do programa Empreenda Mulher. Com o certificado de conclusão em mãos, ela procura o Banco do Povo para obter o microcrédito.
Contrapartida: A contrapartida é anterior à obtenção do crédito, ou seja, é a capacitação que deve ser concluída.

BANCO DO NORDESTE

Existente há duas décadas, o programa de microcrédito orientado Crediamigo ganhou um desdobramento no último dia 8 de março: o Crediamigo Delas, voltado para donas de micronegócios formais e informais -como boleiras, manicures e sacoleiras.

Com carência e prazo de pagamento ampliados, a nova linha também facilita o empréstimo a mulheres que estão começando a empreender.

Os recursos de uso exclusivo, R$ 200 milhões, vieram do Banco Europeu de Investimentos, interessado em promover a equidade de gêneros nas regiões atendidas pelo Banco do Nordeste: os nove estados da região, o norte de Minas Gerais e o norte do Espírito Santo.

A diferença do Crediamigo e do Crediamigo Delas para outros programas de microcrédito é que os empreendedores se reúnem em pequenos grupos para solicitar um financiamento coletivo, chamado de solidário. O valor é concedido e o grupo se responsabiliza pelo pagamento do total. Ou seja, se um dos participantes não consegue eventualmente quitar uma parcela, os demais cobrem a parte dele.

Depois que um empreendedor -ou, no caso, uma empreendedora- já participou de um ou mais grupos solidários e pagou tudo em dia, é possível candidatar-se a um financiamento individual.

Crediamigo Delas – Capital de giro solidário

Quem pode solicitar: Empreendedoras informais e microempreendedoras individuais (MEI) que vivem no Nordeste, no norte de Minas Gerais ou no norte do Espírito Santo
Limite de crédito R$ 5.000, mas a cliente pode contratar outros produtos de microcrédito, chegando a um endividamento máximo de R$ 21 mil
Juros 2,20% ao mês
Carência: Até três meses
Prazo de pagamento: Até 24 meses (usualmente são 12)
Garantias: Não são necessárias, já que o próprio grupo garante o pagamento do empréstimo
Como funciona: As empreendedoras precisam ter conta no banco e se reunir em grupos de três a dez participantes para solicitar o crédito para todas. Até 40% delas podem ter negócios com menos de seis meses de vida (normalmente, o limite é de 20%)
Contrapartida: A única condição é receber as orientações de um assessor de crédito do programa, que trabalha na educação financeira das empreendedoras.

Crediamigo Delas – Capital de giro individual e Investimento individual

Quem pode solicitar: Empreendedoras informais e microempreendedoras individuais (MEI) que já sejam clientes do programa e tenham um negócio estabelecido há pelo menos 12 meses e funcionando regularmente. Elas precisam viver no Nordeste, no norte de Minas Gerais ou no norte do Espírito Santo. No caso da linha para investimento, o crédito serve para a compra de móveis, máquinas e utensílios de trabalho, bem como para a reforma do espaço de trabalho
Limite de crédito: Até R$ 21 mil
Juros de 2,40% ao mês.
Carência: Até três meses (em geral, é um)
Prazo de pagamento: Até 24 meses (normalmente são 12)
Garantias: É necessário apresentar um avalista
Como funciona: A empreendedora só pode se candidatar ao crédito individual -para capital de giro ou investimento- depois de ter sido aprovada em um grupo solidário. É preciso ter conta no banco para depósito do dinheiro
Contrapartida: A única condição é receber as orientações de um assessor de crédito do programa, que trabalha na educação financeira das empreendedoras

SICREDI CAMPOS GERAIS PR/SP

A linha de crédito feminino foi lançada em março com o apoio da Garantisul e o incentivo da Agência Curitiba de Desenvolvimento, que colocou seu Fundo de Aval Garantidor (criado em agosto de 2020 junto com o Sebrae PR) a serviço da iniciativa.
A ideia é apoiar as mulheres donas de negócios em 12 cidades paranaenses e duas paulistas atendidas pela cooperativa Campos Gerais PR/SP, integrante do Sicredi (Sistema de Crédito Cooperativo).

Capital de Giro para Mulher Empreendedora

Quem pode solicitar: Toda micro ou pequena empresa (faturamento anual de até R$ 4,8 milhões) que tenha uma mulher em seu quadro societário e esteja sediada em um dos seguintes municípios: Curitiba, Colombo, Ponta Grossa, Carambeí, Palmeira, Castro, Ventania, Curiúva, Piraí, do Sul, Tibagi, Ivaí e Ipiranga (todos no Paraná), além de Registro e Cajati (São Paulo). Além de capital de giro, o valor pode ser utilizado para modernizar ou ampliar empreendimentos comerciais, industriais ou de serviços
Limite de crédito Até R$ 250 mil, conforme a capacidade de pagamento
Juros 0,59% ao mês
Carência: Até seis meses (usualmente, a carência média é de 45 dias)
Prazo de pagamento: Até cinco anos, incluída a carência
Garantias: Aval dos sócios e a carta da Garantisul (região de Curitiba) ou da SGC Centro Sul (região de Ponta Grossa)
Como funciona: A empresa pode escolher quem quer procurar primeiro, a cooperativa ou a Garantisul.
Contrapartida: Ser associada à cooperativa.

BANCO DA MULHER PARANAENSE/FOMENTO PARANÁ

O programa Banco da Mulher Paranaense foi criado em setembro de 2019 e é operado pela Fomento Paraná, instituição financeira ligada ao governo do estado. Seu diferencial está na redução da taxa de juros de linhas de crédito oferecidas exclusivamente a mulheres empreendedoras.

São duas as linhas de financiamento:

Microcrédito

Quem pode solicitar: Empreendedoras informais, microempreendedoras individuais formalizadas (MEI) e microempresas (faturamento anual de até R$ 360 mil) que tenham mulheres proprietárias de 10% do capital societário, no mínimo. Os empreendimentos precisam estar instalados no Paraná
Limite de crédito: Até R$ 10 mil para pessoa física (PF) e até R$ 20 mil para pessoa jurídica (PJ)
Juros: De 0,76% a 1,69% ao mês
Carência: Três meses
Prazo de pagamento: De até 36 meses, incluído o período de carência
Garantias: Quem pede o crédito necessita apresentar um avalista e ambos não podem ter restrições na Serasa, nem no SPC nem no Cadin Estadual. Futuramente, a ideia é que o Sebrae, por meio do Fampe (Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas), garanta as operações
Como funciona: Depois que a Fomento Paraná aprova a proposta e o contrato é assinado, a cliente indica o banco e a conta para depósito do dinheiro
Contrapartida: É preciso pagar as parcelas em dia para garantir os juros reduzidos

MPE

Quem pode solicitar: Micro e pequenas empresas (faturamento anual de até R$ 4,8 milhões) instaladas no Paraná e com projetos de modernização ou ampliação. As proprietárias ou sócias precisam ter participação no controle societário de no mínimo 10%.
Limite de crédito: De R$ 20 mil a R$ 500 mil
Juros de 0,22% a 1,33% ao mês
Carência de três a 12 meses
Prazo de pagamento: Até 60 meses, incluído o período de carência
Garantias: Quem pede o crédito não pode ter restrições na Serasa, nem no SPC nem no Cadin Estadual. Precisa de um avalista ou de garantias reais (um imóvel, por exemplo) e pode complementar a garantia usando um FGI (Fundo Garantidor para Investimentos) ou uma SGC (Sociedade de Garantias de Crédito)
Como funciona: Depois que a Fomento Paraná aprova a proposta e o contrato é assinado, a cliente indica o banco e a conta para depósito do dinheiro.
Contrapartida: Dependendo da linha de crédito, é obrigatório manter o nível de emprego e/ou pagar as parcelas em dia para manter os juros reduzidos

BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO SUL

A instituição que opera no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná lançou no último dia 8 de março o BRDE Empreendedoras do Sul. O objetivo do programa é favorecer o empreendedorismo entre as mulheres, gerando renda e reduzindo a desigualdade de gênero.

O que muda, em especial, são as taxas de juros aplicadas, em geral 25% mais baixas que as usuais. As tarifas bancárias também são reduzidas a 50% da tabela mínima.

Empreendedoras do Sul Capital de Giro Isolado

Quem pode solicitar: Micro, pequenas e médias empresas (faturamento anual de até R$ 90 milhões) instaladas na região Sul que possuam sócia ou sócias com 50% ou mais do capital social. Mulheres registradas como MEI são encaminhadas para cooperativas de crédito
Limite de crédito de 20% da receita operacional bruta do ano anterior
Juros Taxa Selic + 5,5% ao ano
Carência De 3 a 24 meses (normalmente é de 12 meses)
Prazo de pagamento: 60 meses, incluindo o período de carência
Garantias: É necessário o aval das sócias e garantia imobiliária no mínimo 10% superior ao valor do crédito. Também pode ser utilizado um fundo garantidor para complementação das garantias
Como funciona: A empreendedora pode acessar o banco por meio do site na internet ou presencialmente
Contrapartida: Não há

Empreendedoras do Sul Investimento Urbano

Quem pode solicitar: Empresas de qualquer porte instaladas na região Sul que possuam sócia ou sócias com 50% ou mais do capital social. Mulheres registradas como MEI são encaminhadas para cooperativas de crédito.
Limite de crédito: Pode chegar a 100% do investimento orçado, dependendo da capacidade de pagamento demonstrada pela cliente
Juros Taxa Selic + 5% ao ano. Para financiamentos de até R$ 1 milhão tomados em 2021, a taxa foi reduzida para Selic + 4% ao ano para micro e pequenas empresas (faturamento anual de até R$ 4,8 milhões)
Carência de 12 a 36 meses, conforme a complexidade do investimento
Prazo de pagamento de 60 a 240 meses, conforme a complexidade do investimento (inclui-se o período de carência)
Garantias: É necessário o aval das sócias e garantia imobiliária no mínimo 10% superior ao valor do crédito. Também pode ser utilizado um fundo garantidor, como o FGI ou o Fampe, para complementação das garantias.
Como funciona: A empreendedora pode procurar o banco por meio do site na internet ou presencialmente.
Contrapartida: Não há

BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS

Primeira linha de crédito exclusiva para mulheres donas de micro e pequenas empresas, a Empreendedoras de Minas foi criada em 2018 e utiliza recursos próprios do BDMG. Os juros são mais baixos e o prazo de pagamento e a carência, mais longos.

Empreendedoras de Minas Capital de Giro
Quem pode solicitar: Micro e pequenas empresas mineiras que tenham mulheres no controle de 50% ou mais do capital social
Limite de crédito: Até R$ 200 mil
Juros a partir de 0,79% ao mês (contra os 0,86% da linha padrão)
Carência de até 6 meses
Prazo de pagamento: até 48 meses
Garantias: As garantias, em geral, são as do Fampe/Sebrae (Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas) e o aval dos sócios.
Como funciona: A empresária deve procurar o banco
Contrapartida: O banco disponibiliza gratuitamente às micro e pequenas empresas um programa de capacitação em gestão financeira, em parceria com o Sebrae

BANESTES (BANCO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO)

Desde dezembro passado, o Programa Agenda Mulher (lançado em setembro de 2019) inclui o projeto Crescemos Juntas, que disponibiliza linhas de microcrédito para mulheres capixabas que estejam começando ou ampliando um negócio.
A concessão do empréstimo só vem após a realização de mentorias e capacitações na área de educação financeira e orientação ao crédito. A iniciativa é do governo do estado, por meio da Aderes (Agência de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas e do Empreendedorismo) e do Banestes.

Microcrédito Juntas

Quem pode solicitar: Empreendedoras informais (PF), microempreendedoras individuais (MEI) e microempresas (faturamento anual de até R$ 360 mil) pertencentes a mulheres ou a sociedades em que as mulheres detenham percentual maior de cotas do que os homens
Limite de crédito de até R$ 5 mil para PF; até R$ 21 mil para PJ (porém limitado a R$ 12 mil no primeiro empréstimo)
Juros De 0,6% a 0,8% ao mês, dependendo do prazo de pagamento
Carência de até 6 meses
Prazo de pagamento: Para PF, de quatro a 36 meses; para PJ, de quatro a 48 meses -sempre incluindo o período de carência
Garantias: É obrigatório o aval dos sócios e a apresentação de um avalista
Como funciona: A mulher deve se inscrever no programa Agenda Mulher e, a cada capacitação concluída, ela será direcionada para a captação de crédito
Contrapartida: Não há

Share this page to Telegram
Matérias Relacionadas

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube