Jovem com doença rara está há três meses sem medicamentos

Da Redação. Publicado em 18 de abril de 2021 às 19:51.

Paraíba Online • Jovem com doença rara está há três meses sem medicamentos

Foto: Reprodução/TV Paraíba

A estudante Karine, de 19 anos, vem lutando pela vida há oito anos. Ele tem uma doença genética rara que já atingiu várias partes do corpo e contribuiu para o surgimento de diversas outras doenças.

Karine precisa de diversos medicamentos que são fornecido pelo Cedmex, do Estado, e pelo Caps, da Prefeitura de Campina Grande, mas há três meses os medicamentos não estão sendo entregues e Karine sente dores 24 horas por dia.

“Eu tenho uma doença rara e muito agressiva agressiva chamada Polipose Adenomatosa Familiar.  É uma doença que pega todo o organismo, principalmente a parte gastro-intestinal. No meu caso, ela foi mais além. Ela pegou o corpo todo”, contou Karine.

A estudante contou que retirou o intestino grosso inteiro, uma parte do reto e hoje tem uma bolsa de colostomia por conta dessa doença.

“No estômago, eu tenho Polipose Gástrica, Refluxo e Gastrite. No intestino fino, eu tenho um câncer chamado tumor desmóide, que é minha segunda doença rara. Decorrente da quimioterapia, eu fiquei com coração crescido, insuficiência cardíaca e sopro. Na minha cabeça, eu tenho um nódulo na glândula pineal, que é a glândula responsável pelos nossos movimentos. Eu chego a perder os movimentos, às vezes”, destacou.

Segundo Karine, seu corpo também sofre com endometriose, que são vários cistos no ovário. A luta pela vida também afetou o emocional da jovem, que tem Depressão, Ansiedade, Síndrome do Pânico e Claustrofobia.

“Sou dependente de medicamentos para ter o controle dessas minhas fobias, porque senão eu acabo dando uma crise e piora no estado físico”, reforçou.

Ainda de acordo com a jovem, o Cedmex e o Caps simplesmente informam que não há previsão de quando vão voltar a fornecer os medicamentos necessários. Nesse período de três meses, Karine chegou a perder mais de 23 quilos e as dores só aumentam.

“Há três meses que eu ligo direto, direto, e eles só fazem dizer que não tem previsão para chegar. Eu faço uso de Depakene para epilepsia, Amytril ou Rivotril e Fluoxetina para síndrome do pânico, claustrofobia e ansiedade. Eu uso por mês oito caixas de Morfina e oito de Metadona, que é o equivalente a 360 comprimidos. Eu tomo dois comprimidos a cada quatro horas. Eu estou sendo submetida a ter que suportar, a dor a ter que gritar, chorar, porque não tenho medicação e não tenho condições para comprar”, disse.

Hoje, Karine queria sentir um pouco de alívio e ficar sem sentir dor por algumas horas, tomando todos os remédios que precisa. Sem os medicamentos, a estudante mantém a fé e a esperança do milagre da cura.

“Tenho fé de que Deus vai me curar, de que ele já está me curando e que para mim ele tem um propósito”, afirmou a jovem.

Para ajudar Karine, basta entrar em contato através do telefone (83) 9 9972-2237.

*Com informações da TV Paraíba

Share this page to Telegram
Matérias Relacionadas

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube