Fechar

logo

Fechar

Adeus: morre um dos mais famosos jornalistas do Brasil das últimas décadas

Da redação com Folhapress. Publicado em 10 de março de 2021 às 23:48.

Foto: Reprodução/ Facebook

Foto: Reprodução/ Facebook

ANA LUIZA ALBUQUERQUE
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) – Morreu na madrugada desta quarta-feira (10) o jornalista Hélio Fernandes, aos 100 anos, de causas naturais. Ele estava em sua casa, no Rio de Janeiro, ao lado de duas filhas.

Nome importante no jornalismo brasileiro e irmão do escritor Millôr Fernandes, Hélio trabalhou em O Cruzeiro e foi dono do jornal A Tribuna da Imprensa.

O corpo de Hélio será cremado na quinta-feira (11) à tarde, no cemitério do Caju, zona norte da cidade. A cerimônia deve ser restrita, devido à pandemia da Covid-19.

O jornalista deixa três filhos, Isabella, Ana Carolina e Bruno, e três netos, Felipe, Leticia, e Helio. Dois filhos, Rodolfo Fernandes, ex-diretor de redação do jornal O Globo, e Hélio Fernandes Filho, morreram em 2011.

Em 1962, Hélio assumiu a Tribuna da Imprensa, fundada por seu amigo Carlos Lacerda, ex-governador do então estado da Guanabara. Crítica ao ex-presidente João Goulart, a Tribuna apoiou o golpe de 1964, mas mudou de posição durante o regime.

“Escorraçado, amordaçado e acovardado, deixou o poder como imperativo de legítima vontade popular o Sr João Belchior Marques Goulart, infame líder dos comuno-carreiristas-negocistas-sindicalistas”, dizia editorial do jornal no dia 2 de abril daquele ano.

Ao longo da ditadura, Hélio foi preso diversas vezes e desterrado em três ocasiões “”foi mandado para Fernando de Noronha (PE), Pirassununga (SP) e Campo Grande (MS).

“Olha, no começo a visão de todo mundo, inclusive minha, era deturpada. Realmente eles lançaram a ideia de que o país estava à beira de cair no regime comunista. A edição de 1º de abril, nós ficamos como todo o mundo. Nós não sabíamos bem o que era. Ninguém sabia”, afirmou Hélio ao Observatório da Imprensa em 2014.

Em seu livro A Ditadura Escancarada, o jornalista Elio Gaspari aponta a Tribuna da Imprensa como o jornal mais massacrado ao longo da ditadura.

“Sofreu mais de vinte apreensões, e teve censores dentro de seu prédio por dez anos e dois dias. Antes mesmo que Médici chegasse ao Planalto, o jornalista Hélio Fernandes, seu proprietário e alma panfletária, passara por quatro cadeias e dois desterros”, escreveu Gaspari.

Em 1966, Hélio tentou ser candidato a deputado federal pelo MDB, mas teve os direitos políticos cassados pelos militares. Também foi proibido de assinar artigos, e por isso assumiu o pseudônimo de João da Silva.

“Eu nunca deixei de publicar coisa alguma, até mesmo na ditadura. Por isso eu fui muito preso. (…) O jornalismo não é uma profissão comum que você sai de casa às 8 horas e [volta] às 6 da tarde. No jornalismo você fica, você sai de casa e você fica. Você, digamos, é dominado pelo jornalismo”, afirmou Hélio ao Observatório da Imprensa.

Mesmo aos 100 anos, o jornalista continuava a atualizar uma página no Facebook com opiniões sobre o cenário político e social do país.

“A arrogância, a imprudência, a incompetência de Bolsonaro são inéditas na história da República. O Brasil chegou a 200 mil mortes não foi por acaso, e sim pela irresponsabilidade total do presidente”, publicou em janeiro.

Hélio foi vacinado contra o novo coronavírus no início de fevereiro, quando escreveu: “Eu, em meus 100 anos, fui dos primeiros, mas espero que toda a população brasileira tenha a possibilidade, a oportunidade de ser vacinada, o que é seu direito, e que isso não seja um privilégio para alguns. Que o SUS seja valorizado!”

Share this page to Telegram
Matérias Relacionadas

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube