Bancários do BB aprovam estado de greve em Campina Grande

Ascom. Publicado em 8 de fevereiro de 2021 às 17:22.

Foto: Paraibaonline

Foto: Paraibaonline

Os funcionários do Banco do Brasil de Campina Grande aprovaram na última sexta-feira (5), em assembleia virtual, estado de greve e paralisação de 24h na próxima quarta-feira (10), contra a reestruturação no banco.

Mais uma vez, os funcionários do BB mobilizados por suas entidades representativas irão protestar contra o fechamento de cerca de 360 agências em todo o país, redução de cerca de 5 mil bancários (por meio de PDV), extinção da gratificação de caixa e descomissionamentos, medidas previstas na reestruturação anunciada pela direção do Banco em janeiro.

Na Paraíba, a reestruturação prevê o fechamento de três agências, duas em João Pessoa, uma em Campina Grande (a agência Jardim Paulistano, localizada na Avenida Assis Chateaubriand), e um Posto de Atendimento Avançado (PAA), em Alagoa Grande.

Desde que o plano foi anunciado, trabalhadores e sindicatos se mobilizam para tentar frear os ataques do governo e da direção do Banco ao funcionalismo da empresa e a instituição pública Banco do Brasil.

As mobilizações estão sendo realizadas para pressionar a instituição financeira a negociar sobre a medida. Contudo, até agora, pela primeira vez, o BB se recusa a informar as entidades representativas dos trabalhadores sobre as mudanças que afetam os funcionários de forma contundente.

Prejuízo também para população

A unidade que está sendo fechada aqui na cidade, a agência Jardim Paulistano, é estratégica e importante no atendimento da comunidade, pois atende não só a população campinense, mas também um público circulante das cidades circunvizinhas.

A agência é localizada ao lado do complexo jurídico e a mais próxima do Aluízio Campos, conjunto habitacional com mais de 4 mil casas (inaugurado a pouco tempo), área em desenvolvimento e onde está sendo construído o polo de confecções de Campina Grande, que irá atrair várias empresas para o setor.

Na Paraíba, 176 municípios não têm nenhuma agência bancária, serviço extremamente importante para qualquer cidade ou região. Nos últimos seis anos, só aqui no Estado, foram fechadas em torno de 15 agências do Banco do Brasil, o que contribuiu decisivamente para o empobrecimento dessas localidades.

“Seguiremos resistindo contra o desmonte do Banco, que afeta não só os funcionários, mas a todos. Em especial, a população que depende de uma única agência para ser atendida”, destacou Esdras Luciano, presidente do Sindicato dos Bancários de Campina Grande e região.

Share this page to Telegram
Matérias Relacionadas

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube