Fechar

logo

Fechar

Sonora Brasil com uma nova série de programas no SescTv

Da Redação com Ascom. Publicado em 29 de novembro de 2020 às 11:15.

Foto: Ascom

Foto: Ascom

Série documental que apresenta produção musical erudita brasileira e ritmos da tradição oral traz o registro do circuito nacional realizado há seis anos, dedicados ao compositor Edino Krieger e à cultura popular, em especial às comunidades quilombolas.

O Sonora Brasil é um projeto do Sesc, que há mais de 20 anos visa a formação de público para a música brasileira. A iniciativa busca despertar no público um olhar crítico sobre a produção e os mecanismos de difusão de música no país, incentivando novas práticas e novos hábitos de apreciação musical, por meio de apresentações de caráter essencialmente acústico, que valorizam a qualidade das obras e de seus intérpretes.

Trata-se de um projeto de circulação com foco na música de concerto e na música produzida pelas comunidades tradicionais, que chega tanto nos grandes centros urbanos como em cidades do interior e localidades distantes no Brasil, onde a oferta cultural é muito baixa.

E como resultado dessas itinerâncias, neste mês, o Sonora Brasil lança nova série documental, que traz o registro das edições de número 16 e 17 do circuito nacional, realizado no biênio 2013-2014.

“O projeto Sonora Brasil caminha no sentido de difundir esta valiosa cultura musical. Os circuitos que percorrem o país levam ao público a qualidade e a diversidade da música brasileira e proporcionam aos artistas a possibilidade de exporem seus trabalhos a plateias distintas, o que resulta em novas experiências e novas inspirações. A série documental exibida pelo SescTV trará de volta dois cenários que encantaram plateias Brasil afora. Tambores e batuques e Edino Krieger e as Bienais de Música Brasileira Contemporânea levaram ao público as manifestações da tradição oral presentes nas comunidades quilombolas, onde o tambor sobressai como elemento sagrado, e a força e maestria de Edino Krieger, compositor de indubitável importância para o desenvolvimento da música no Brasil”, destaca o Diretor-Geral do Departamento Nacional do Sesc, Carlos Artexes Simões.

Sob os temas Edino Krieger e as Bienais de Música Brasileira Contemporânea e Tambores e batuques, oito grupos musicais – sendo quatro para cada programação – percorreram os 26 estados brasileiros mais o Distrito Federal e tudo isso está registrado em uma série de oito documentários que chega ao SescTV no próximo dia 21, sempre com exibições aos sábados, até 9 de janeiro de 2021, no mesmo horário, às 21h. Os episódios também ficam disponíveis on demand no site sesctv.org.br.

“Levar a um maior número de pessoas a diversidade sonora do Brasil é democratizar o acesso da população aos bens culturais, missão que o Sesc potencializa ao disponibilizar o conteúdo audiovisual gratuito, da versão documental da Série Sonora Brasil, em seu canal de TV – SescTV.org.br – e sob demanda, para todos aqueles que busquem um olhar crítico sobre a produção e sobre os mecanismos de difusão, incentivando novas práticas e novos hábitos de apreciação musical. Por meio do registro da memória musical proporcionado pela série de TV, convidamos o público para sensibilizar-se, através de um Brasil sonoro, diverso e plural, que não se fecha em fronteiras, mas, pelo contrário, reverbera limites e se expande Brasil afora”, disse o Diretor Regional do Sesc em São Paulo, Danilo Santos de Miranda.

Quinteto Brasília

5/12, 21h, no SescTV.

Concerto do Quinteto Brasília com peças de Edino Krieger, Osvaldo Lacerda e Vieira Brandão, gravado durante o Sonora Brasil, que viajou mais de 100 cidades. Traz, ainda, entrevistas do compositor Krieger e dos músicos envolvidos. O episódio mapeia acordes eruditos, ritmos populares, composições clássicas e a herança da tradição oral, além de diversidade, potência e beleza.

Octeto Polyphonia Khoros

12/12, 21h, no SescTV.

Um registro do concerto do Octeto Polyphonia Khoros, regido pela maestrina Mercia Ferreira, com o repertório de Edino Krieger. O episódio traz depoimentos do maestro, da regente e do grupo. Krieger comenta que quando se escreve para um instrumento é preciso ter conhecimento de suas características, conhecer a particularidade de cada instrumento para compor. Recorda do período em que esteve em Londres, entre 1955 e 1956, e aprendeu a tocar violão sozinho, ficando conhecido na colônia brasileira por interpretações de canções brasileiras de Dorival Caymmi, Noel Rosa e muitos outros.

Tambores e Batuques

Grupo Raízes do Bolão

19/12, 21h, no SescTV

O programa exibe os “sem fins” de riquezas musicais que cabem na música brasileira. Traz Pedro Bolão falando sobre seus ancestrais que participaram da construção da Fortaleza de São José do Amapá, Macapá. Mestre Pedro Bolão define que o “mestre” é aquele que produz e toca o instrumento, e participa das rodas. De família cujo avô matava o boi, tirava a pele, fazia o pandeiro e tocava na mesma noite, os integrantes são tocadores, batuqueiros e falam da força dos batuqueiros cuja comunidade participa dos festejos nas igrejas e nas comunidades. Atualmente esta manifestação folclórica é a maior tradição cultural da região realizada durante os festejos em louvor aos santos padroeiros das comunidades afro-descendentes do Amapá.

Alabê Ôni

26/12, 21h, no SescTV

Alabê Ôni é um grupo gaúcho de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, formado pelos músicos e pesquisadores Richard Serraria, Pingo Borel, Mimmo Ferreira e Kako Xavier, que se dedicam à recuperação da história do tambor de sopapo — o Grande tambor. O grupo percussivo de raiz africana no sangue, na cultura e na espiritualidade se reuniu para agregar as manifestações dos tambores. Na língua iorubá, Alabê Ôni é uma expressão que significa “nobre tamboreiro” ou “grande mestre dos tambores”. Uma homenagem à ancestralidade da África e que resistiu por séculos em terras distantes.

Samba de Tocos

2/1/2021, 21h, no SescTV

O programa visita a Fazenda de Tocos em Antonio Cardoso, na Bahia, onde o Samba de Tocos faz parte da tradição, assim como a devoção a São Cosme e São Damião. O grupo Samba de Tocos toca coco, corrido e chula. Roque da Viola fala da tradição dos antepassados e da região em que chove pouco e o povo inventa cantigas para amenizar o sofrimento como o coco, uma chula, um corrido e torna-se cantiga de samba de roda com acompanhamento dos tambores, uma tradição muito antiga.

Mestre Satu relembra a história dos escravizados em Santo Amaro que tinham o hábito de cantar nas fazendas de cana-de-açúcar e conta que as festas em sua casa duram um dia e uma noite, com carneiro, galinha e caruru, comida típica da região que mistura as origens africanas e indígenas. Roque da Viola comenta sobre a reforma agrária no sertão da Bahia e da divisão das terras onde mora e também sobre os diferentes ritmos do samba de coco, do corrido, do martelo e da chula. Edilma Neri samba desde os oito anos de idade, canta e ajuda aos pais nas rezas, e conta sobre a devoção a Cosme e Damião e a tradição do Caruru de 7 meninos. Mestre Satu explica que é mestre de samba de roda e mestre de reza, além de saber fazer o tambor com couro de veado.

Samba de Cacete da Vacaria

9/1/2021, 21h, no SescTV

A cantoria e o batuque do grupo Samba do Cacete de Vacaria, da comunidade de Cametá, no Pará, se misturam com a dança e dão o tom num repertório permeado de influências cotidianas. Maria dos Prazeres entoa um canto e Manoel Maria da Cruz discorre sobre suas origens e misturas decorrentes dos escravos e índios. Dessa miscigenação étnica nasce uma fusão sonora multicultural, o samba de cacete que tem origem nos avós do interior das senzalas como forma de diversão.

Mestre Benedito traz as memórias da estrada da vacaria, e das famílias indígenas que labutavam nas fazendas locais e que deram origem ao nome do grupo. Maria das Graças da Cruz afirma que foi criada em meia a cultura da mandioca e do samba. Os mestres sambistas se reúnem e comentam os processos musicais em ensaios que reúnem mulheres e homens de gerações distintas. Os mestres explicam a importância do uso do cacete na sonoridade do tambor. A maioria dos brincantes, batedores e mestres que residem na Vacaria são integrantes da mesma família. Os laços e parentescos aproximam famílias e aprimoram as raízes e a cultura ancestral. Manoel Vieira relembra o modo simples e artesanal com que são construídos os instrumentos, cujas técnicas são passadas entre gerações.

Share this page to Telegram
Matérias Relacionadas

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube