Fechar

logo

Fechar

Recado do comandante do Exército: “Não queremos fazer parte da política”

Da redação com Folhapress. Publicado em 14 de novembro de 2020 às 12:27.

Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O comandante do Exército, general Edson Leal Pujol, fez uma rara manifestação na qual buscou delimitar seu distanciamento da ala militar do governo Jair Bolsonaro.

“Não queremos fazer parte da política, muito menos deixar ela entrar nos quartéis”, afirmou durante uma live do Instituto para a Reforma das Relações entre Estado e Empresa.

Ele respondia a um questionamento do ex-ministro da Defesa Raul Jungmann, presidente-executivo do braço de Defesa e Segurança do instituto, sobre o papel dos militares na política, tema que acompanha o governo Bolsonaro desde a campanha eleitoral.

Na gestão do capitão reformado do Exército, 9 dos 23 ministros são de origem fardada.

Pujol, conhecido por ser um homem de poucas palavras, não criticou os colegas que estão no governo –a começar pelo seu chefe, o general Fernando Azevedo, ministro da Defesa.

Mas ressaltou que “se for para chamar [um militar para o governo], é decisão do Executivo”. Nem tampouco viu problemas nisso, citando que o Supremo Tribunal Federal requisita desde 2018 um general para assessorar seu presidente, cargo que foi ocupado por Azevedo na gestão Dias Toffoli.

Mas é na segunda parte de sua formulação que o recado fica dado. Assim como disse à Folha de S.Paulo após a vitória de Bolsonaro em 2018 o antecessor de Pujol, Eduardo Villas Bôas, a Força teme a politização dos quarteis na esteira da militarização da política.

Esse movimento tornou-se uma preocupação no Alto Comando do Exército durante o período de maior radicalização de Bolsonaro na Presidência, entre abril e junho deste ano.

Enquanto o presidente frequentava manifestações golpistas pedindo o fechamento do Supremo e do Congresso, havia o temor de que o baixo oficialato se empolgasse com a retórica de Bolsonaro.

No topo da cadeia alimentar do setor, a Defesa chegou a endossar uma ameaça velada do general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) ao Supremo.

Com o paroxismo da crise e a prisão do ex-assessor do clã presidencial Fabrício Queiroz no fim de junho, Bolsonaro acabou se retraindo e compondo com o centrão, o que abafou o risco de um impeachment ou outra ruptura.

Ato contínuo, a ala militar do governo se viu submersa parcialmente, só para frequentar o noticiário quando há escaramuças com os setores radicais do bolsonarismo no poder, como a briga entre o vice-presidente Hamilton Mourão e o ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) demonstrou.

De forma geral, porém, os fardados tendem a considerar que saíram do holofote. “Não nos metemos no que não nos diz respeito”, afirmou Pujol.

O próprio comandante do Exército foi tragado para a confusão quando, no começo de maio, Bolsonaro considerou trocá-lo pelo amigo Luiz Eduardo Ramos, general que comanda a Secretaria de Governo.

A discussão foi tornada pública pela Folha de S.Paulo, obrigando Ramos a negar veementemente a hipótese. Vez ou outra, o tema ressurge, embora a possibilidade seja considerada nula por oficiais da ativa.

A insatisfação de Bolsonaro com Pujol decorria da atitude do comandante em relação à pandemia do novo coronavírus, para a qual ele mobilizou o Exército em sua maior operação desde o envio de pracinhas para combater o nazismo na Segunda Guerra Mundial na Itália.

Pujol inclusive negou um aperto de mão, oferecendo o cotovelo a Bolsonaro, numa solenidade militar antes da discussão sobre a eventual troca de comando.

Na live, o comandante afirma que só se preocupa com assuntos militares, e que se alguém tem de falar de política, é o general Azevedo em reuniões de ministros.

Share this page to Telegram
Matérias Relacionadas

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube