Fechar

logo

Fechar

Bolsonaro convoca população brasileira para manifestações do dia 15

Folhapress. Publicado em 7 de março de 2020 às 19:25.

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

BERNARDO CARAM, JOÃO PAULO PIRES E AMANDA LEMOS
BRASÍLIA, DF, BOA VISTA, RR, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O presidente Jair Bolsonaro pediu, neste sábado (7), que a população participe das manifestações programadas para o próximo dia 15 e afirmou que político que tem medo de rua não serve para ser político.

Os protestos, organizados por grupos que defendem o presidente, abriram uma crise institucional no mês passado, depois que Bolsonaro encaminhou a amigos um vídeo que convocava a população a ir às ruas para o ato.

Como a pauta do movimento contém críticas ao Congresso, a ação do presidente gerou reação de chefes de Poderes.

Neste sábado, em escala em Boa Vista (RR) antes de embarcar para viagem oficial aos Estados Unidos, o presidente afirmou que o movimento quer mostrar que quem dá o norte para o Brasil é a população.

“É um movimento espontâneo e o político que tem medo de movimento de rua não serve para ser político”, afirmou. “Então participem, não é um movimento contra o Congresso, contra o Judiciário. É um movimento pró-Brasil”.

“Quem diz que é um movimento impopular contra a democracia está mentindo e tem medo de encarar o povo brasileiro”, disse.

O presidente falou para cerca de 400 pessoas, entre autoridades políticas roraimenses e simpatizantes.
Incentivados por parlamentares bolsonaristas e pelo próprio presidente, ativistas conservadores preparam o ato, que prega bandeiras de direita, contrárias ao Congresso e em defesa de militares e do atual governo.

A manifestação é considerada uma reação à fala do ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Augusto Heleno, que chamou o Congresso de “chantagista”.

A revelação de que Bolsonaro havia compartilhado vídeo convocando para as manifestações gerou atrito com outros poderes.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), cobrou respeito à democracia e afirmou que criar tensão institucional não ajuda o país a evoluir. Ministros do Supremo Tribunal Federal também criticaram a ação do presidente.

Após as reações, Bolsonaro procurou parlamentares para afirmar que a crise foi causada por um mal-entendido, ressaltando que ele apoia as instituições democráticas.

O discurso do presidente neste sábado foi acompanhado de fala de Heleno. Bolsonaro afirmou que já levou “facada no pescoço dentro do meu gabinete por pessoas que não pensam no Brasil”. O ministro, por sua vez, disse que o presidente tem encontrado resistência em sua atuação.

“Ele tem encontrado uma resistência muito grande porque a rede de corrupção que se criou neste país, que está sendo desbaratada por este governo, tem prejudicado planos espúrios de muita gente”, disse.

Além de Heleno, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, também fez declarações à plateia sobre a questão energética do estado, o projeto de lei enviado em fevereiro ao Congresso que autoriza exploração mineral em terras indígenas, a crise na Venezuela e a Operação Acolhida.

Nenhuma autoridade local discursou no encontro, conforme o presidente já havia mencionado antes durante uma live na quinta (5).

A passagem de Bolsonaro por Roraima durou aproximadamente uma hora e não fez parte da agenda oficial, mas uma parada técnica para reabastecer a aeronave presidencial a caminho da Flórida, onde deve se encontrar com Donald Trump para jantar em um resort de Mar-a-Lago, propriedade do mandatário americano. Ele ficará por quatro dias nos Estados Unidos.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) disse nesse sábado que as manifestações marcadas para o dia 15 de março não apresentam riscos e que é necessário aguardar.

Fernando Henrique participa do Cannabis Thinking em São Paulo, evento que discute o mercado da maconha medicinal.

“Estamos vivendo uma onda conservadora e reacionária. Eu sou partidária da liberdade e da democracia, qualquer manifestação é válida”, disse. FHC afirmou ainda que é preciso ter cautela sobre o assunto.

“O risco do Brasil não são as manifestações, são os que tomam decisões ficarem com medo de afirmar seus valores”, afirmou.

Questionado sobre se Jair Bolsonaro ultrapassou algum limite, Fernando Hernrique afirmou que, como já foi presidente, não pode falar sobre o assunto. “Eu sempre fui cuidadoso e continuo sendo”, disse.

Share this page to Telegram
Matérias Relacionadas

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube