Fechar

logo

Fechar

Agenda de RC revela registros de supostos pagamentos de propina a radialista

Da Redação. Publicado em 10 de março de 2020 às 13:36.

Foto: Reprodução/Internet

Foto: Reprodução/Internet

Preso na oitava fase da Operação Calvário, nesta terça-feira, 10, o radialista Fabiano Gomes teria feito repasses ilícitos de dinheiro em espécie, supostamente controlados pelo então governador Ricardo Vieira Coutinho, (PSB), segundo a denúncia do Ministério Público da Paraíba (MPPB).

Durante a sétima fase da Calvário, uma agenda do ex-governador foi apreendida e nela constavam os registros dos pagamentos supostamente feitos por Fabiano.

As descrições constadas na agenda de Ricardo Coutinho revelam que Fabiano Gomes teria relação com “tanques com dinheiro”; “dois cartões de gasolina”, em torno de mais de R$ 11 milhões; uma descrição de uma “devolução de R$ 460 mil”, como uma suposta propina que teria retornado para Fabiano sob o controle de Coutinho; e um repasse de R$ 100 mil para um jornalista feito por Ricardo, a pedido de Fabiano.

Ainda conforme as informações do MPPB, Fabiano Gomes teria recebido do Governo do Estado um valor superior a R$ 9 milhões, através de uma de suas empresas.

A defesa do radialista afirmou, em uma emissora de rádio de João Pessoa, que ainda não teve acesso a decisão do desembargador Ricardo Vital, mas que acompanha os mandados de busca e apreensão e a prisão temporária, que é de cinco dias.

Também foram alvos de busca e apreensão: Coriolano Coutinho (o irmão do ex-governador Ricardo Coutinho) acusado de ser sócio oculto da empresa Paraíba de Prêmios; Mayara de Fátima Martins de Souza, secretária-geral da Cruz Vermelha Brasileira (CVB/PB) e ex-chefe de gabinete da deputada estadual Estela Bezerra, acusada de ser responsável pela vinculação da Paraíba de Prêmios com a CVB/PB; e Denylson Oliveira Machado, responsável pela empresa Paraíba de Prêmios.

A sétima fase da Calvário tem como objetivo investigar indícios de lavagem de dinheiro de recursos desviados de organizações sociais da área da saúde, por meio de jogos de apostas autorizados pela Loteria do Estado da Paraíba (Lotep).

A operação está sendo executada pela Polícia Federal na Paraíba e o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado do Ministério Público na Paraíba – Gaeco/PB, com apoio da Controladoria Geral da União – CGU.

Share this page to Telegram
Matérias Relacionadas

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube