Fechar

logo

Fechar

Oposicionista defende que João Azevêdo entregue o cargo

Da Redação*. Publicado em 16 de janeiro de 2020 às 8:29.

O deputado Wallber Virgolino (Patriotas) comentou os últimos trechos revelados da delação da ex-secretária Livânia Farias, que durante depoimento disse que o governador João Azevêdo, ainda como pré-candidato, teria recebido mesada da Cruz Vermelha Brasileira, organização social que geria o Hospital de Trauma de João Pessoa e que está no centro de toda a celeuma destrinchada na Operação Calvário.

Wallber apoia que Azevêdo deve deixar o governo do Estado e acredita que o rompimento entre ele e Ricardo seria uma estratégia de sobrevivência.

Foto: Paraibaonline

Foto: Paraibaonline

Em entrevista à Rádio Campina FM, o parlamentar disse que as delações de Livânia só corroboram com o que ele vinha dizendo na Assembleia Legislativa há um ano, de que na Paraíba teria se formado uma organização criminosa, devido à presença das organizações sociais no Estado.

– A moral do ex-governador foi posta em cheque, e o PSB lançou uma estratégia de dividir o governo, de dividir Ricardo Coutinho de João Azevêdo, mas na verdade nunca houve nenhuma intriga ou briga e sempre estiveram do mesmo lado – opinou.

O deputado disse que o governador deve deixar o cargo porque “a gestão dele seria podre e corrompida e não teria mais moral e nem condições de gerir o Estado”.

– São situações que não atingem só o governador, mas também a moral e a pessoa de João Azevêdo. Eu pensei que ele tinha sido engolido pela corrupção do governo de Ricardo Coutinho, mas, não. Ele é produto disso, se corrompeu e recebeu mesada de R$ 120 mil por mês – disse.

Com relação ao trecho em que Livânia Farias afirmou que deputados estaduais teriam recebido mesada em troca de apoio ao ex-governador Ricardo Coutinho na Assembleia Legislativa, Virgolino disse que a AL sempre se curvou ao Executivo.

Share this page to Telegram
Matérias Relacionadas

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube