Fechar

logo

Fechar

No Rio de Janeiro oficialmente o Carnaval 2020 já começou

Folhapress. Publicado em 13 de janeiro de 2020 às 9:21.

Foto: Barbara Dias/AGIF/Folhapress

Foto: Barbara Dias/AGIF/Folhapress

DIEGO GARCIA E MICHEL ALECRIM
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) – O Carnaval de 50 dias do Rio de Janeiro começou oficialmente neste domingo (12), com as apresentações da final do concurso do Rei Momo e rainha do evento, o bloco da Favorita, com convidados como Sandra de Sá, Toni Garrido, Preta Gil e cerca de 300 mil foliões na praia de Copacabana.

Os artistas foram os mais celebrados quando entraram no palco montado em frente ao Copacabana Palace. O bloco da Favorita é conhecido por receber famosos e arrastar multidões pelas ruas do Rio.

Preta Gil levou convidados, como Thaila Ayala e outras artistas, e levantou o público com “Turma do Balão Mágico”. “O nosso balão é o da diversidade e o do respeito”, disse a cantora, para delírio das milhares de pessoas em Copa.

Os moradores do Rio de Janeiro ouvidos pela reportagem aprovaram o projeto de carnaval com 50 dias. A publicitária Camila Cury, 27, espera que a iniciativa possa ajudar na infraestrutura dos eventos de rua.

“Eu gosto da iniciativa, embora, mesmo sem apoio da prefeitura, o carnaval já estaria rolando de qualquer forma, mas espero que com este apoio a estrutura dos blocos, de limpeza e de segurança funcionem melhor, porque eu pretendo começar a celebrar desde já”, disse a foliã.

O caminhoneiro Carlos Henrique do Nascimento, 51, foi para a praia de Copacabana com um cartaz que dizia: “O melhor Carnaval do mundo é aqui”. Ele afirmou que participa da festa todos os anos e está animado para os 50 dias.

“Show de bola. Para quem gosta, agora é só aproveitar. Tem que sair cedo de casa e só voltar à noite”, disse o folião, que mora em Nova Iguaçu.

Os vendedores ambulantes de Copacabana também estavam animados. Rafael da Silva, 23, que vende cerveja e refrigerante, já vê aumento no movimento.

“Acho que os turistas resolveram ficar. Muita gente ainda não foi embora do Ano Novo. Estou esperando ganhar mais dinheiro”, disse o vendedor.

Apesar do clima descontraído durante o show, uma hora após o fim do evento, uma confusão tomou conta dos arredores do palco. Houve correria e bombas de gás lacrimogêneo.

A Guarda Municipal, que participou do evento com 231 agentes, disse em nota que, no momento da dispersão do público, uma equipe foi atacada por ambulantes com garrafas de vidro, pedras e outros objetos, quando os agentes atuavam para a liberação da via.

De acordo com eles, a equipe “precisou usar equipamentos de menor potencial ofensivo para conter o tumulto nas proximidades do Copacabana Palace”. Um guarda ficou levemente ferido.

Pouco antes, a Polícia Militar havia informado que colocou mais de mil policiais na segurança do evento ​e que não houve registro de brigas, ao menos até o início do bloco da Favorita, às 15h. Em redes sociais, algumas pessoas relataram furtos e brigas durante o evento. O posto médico também registrou casos de mal estar e de cortes por cacos de vidro espalhados pelo chão.

Em nota, a PM também disse que um homem foi detido com três papelotes de cocaína e maconha. Já um menor com mandado de busca e apreensão em aberto foi apreendido. Ainda acabou preso um sujeito com arma falsa na esquina das avenidas Princesa Isabel com Nossa Senhora de Copacabana, próximo ao local do evento.

Por pouco, porém, o evento não ocorreu. O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro ajuizou na sexta (10) ação civil pública para obter medida judicial que suspendesse a apresentação do referido bloco.

O MP entendia que o evento não cumpria requisitos legais e regulamentares, o que poderia acarretar risco à segurança da população, com a previsão de 700 mil presentes no local. A Justiça negou o pedido.

Depois de ser proibido no Réveillon carioca, o Bloco da Favorita conseguiu a liberação para a abertura do Carnaval. A Polícia Militar do Rio afirmou, em nota, que decidiu liberar o evento após os organizadores “atenderem às exigências estabelecidas pela Corporação, em especial, a redução do horário.”

Além da abertura oficial, o Rio de Janeiro contou com outros blocos não oficiais pela cidade. Um dos destaques foi o ensaio aberto dos Tambores de Olodun, no aterro do Flamengo, onde 300 pessoas acompanharam o grupo de percussão e dança que tem como inspiração os maracatus de baque virado do Recife.

O clima do evento, que começou por volta de 17h, foi tranquilo, com famílias, foliões fantasiados, crianças e pessoas de várias idades.

A estudante Camila Lima, 21, explicou que preferiu ir ao Olokun por ser “mais cultural e com menor aglomeração” de pessoas. “Não gosto quando tem muita gente, como fica em Copacabana na época de Carnaval. Prefiro algo que foque mais em cultura e com um público menor”, afirmou.

Já o casal Vinicius Dias, 30, e Ana Julia Moutinho, 26, que foi ao Rio para fazer turismo no fim de semana, preferiu escapar do tumulto que se formou em Copacabana.

Eles escolheram aproveitar o ensaio da escola de samba Acadêmicos do Salgueiro e gostaram da opção.

“Não teve desrespeito nenhum, o pessoal pedia licença para passar e a organização não encostava em ninguém”, disse Ana Julia, que é farmacêutica. “Foi muito tranquilo, eu gostei, pois não tinha perrengue para pegar bebida e comida, me surpreendeu. E ainda é um passeio turístico, via o Salgueiro na TV desde pequeno”, disse Vinicius, arquiteto.

Neste domingo, também ficou decidido quem seria o dono da chave da cidade pelos próximos 50 dias. Djeferson Mendes foi escolhido Rei Momo de 2020, e Camila Aparecida é sua rainha. Cada um leva para casa R$ 30 mil.

No fim de semana anterior, a cidade já tinha visto várias apresentações. A prefeitura do Rio adotou uma jogada de marketing ao ampliar o período oficial do Carnaval para 50 dias neste ano. A festa acaba em 1º de março e tem dezenas de blocos previstos até lá. No ano passado, contando o pré e o pós-carnaval, foram 23 dias de folia oficial.

Neste ano há mais de 540 desfiles cadastrados, acima dos 498 de 2019, mas abaixo dos 608 de 2018.

A prefeitura aproveitou a estrutura montada para a festa de Réveillon para promover o Carnaval deste domingo. O prefeito Marcelo Crivella (PRB) havia divulgado que, com a iniciativa, teria aumentado de 1,7 milhão para 1,9 milhão o número de visitantes. A expectativa é que a cidade tenha R$ 4 bilhões de movimentação econômica.

Os chamados megablocos, como o Bloco da Favorita, são uma das atrações do carnaval de 50 dias e ficarão concentrados no centro da cidade. Eles começam a desfilar em 2 de fevereiro, com Lexa.

No domingo seguinte, Claudia Leitte será a atração principal. Nos finais de semana subsequentes, são aguardados Chora Me Liga, Bloco da Preta, Bola Preta, Fervo da Ludi e Poderosas. O Monobloco fecha a lista, no dia 1 de março. São os blocos com expectativa de arrastar mais de 200 mil pessoas.

A prefeitura carioca anunciou que no Carnaval deste ano vai disponibilizar 33 mil banheiros, 7 postos médicos, 303 ambulâncias, 858 profissionais de saúde, 475 agentes de trânsito e 1.180 garis. São investidos em média, anualmente, R$ 100 milhões.

Dentro desse valor está um aporte privado. Desde 2011, a produtora Dream Factory, por meio da Ambev, ganhou todas as licitações para bancar equipamentos públicos da festa (cerca de R$ 26 milhões por ano) em troca do direito de negociar verbas de patrocínio. O modelo foi criado na gestão de Eduardo Paes (então MDB).

Na semana que vem estão previstos mais blocos nas ruas da cidade, como o Fica Comigo, na Gávea.

Share this page to Telegram
Matérias Relacionadas

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube