Fechar

logo

Fechar

Deputada prevê um ano difícil e conturbado no Legislativo paraibano

Da Redação de João Pessoa (Hacéldama Borba). Publicado em 21 de janeiro de 2020 às 10:57.

Para a deputada Camila Toscano (PSDB), da bancada de oposição na Assembleia Legislativa, o ano de 2020 vai ser muito difícil e conturbado na Casa de Epitácio Pessoa. Primeiro, por conta da retomada da discussão da reforma da Previdência, cuja matéria a oposição conseguiu suspender para este ano, após desentendimento entre os deputados, e, depois, por conta dos rescaldos da Operação Calvário, que atingiram as deputadas situacionistas Cida Ramos e Estela Bezerra, ambas do coletivo socialista.

“Não vai ser um ano fácil. Nós terminamos os trabalhos legislativos com um embate muito forte. A reforma da Previdência não passou porque conseguimos fazer um movimento ferrenho dentro da CCJ, segurando o projeto no sentido de analisar melhor, porque a ideia do governo era aprová-la o mais rápido possível, sem que a sociedade ficasse por dentro do que estava acontecendo, quais as mudanças, e diante de fatos externos, como a Operação Calvário, acabou que ela ficou para ser votada este ano”, disse.

Foto: Paraibaonline

Foto: Paraibaonline

A Assembleia já volta do recesso enfrentando o debate da reforma da Previdência e todas as suas mudanças que irão impactar na vida do servidor paraibano. “Ou seja, há uma série de requisitos prejudiciais que não deveriam ter passado e tudo isso vai ser debatido, agora no começo de fevereiro. Eu acredito nisso”, destacou a deputada.

Outro fator que a oposição não concorda é com a criação de uma fundação pública de saúde pelo governo do Estado. Conforme a deputada Camila Toscano, essa fundação não é algo bom para a Paraíba e seria uma forma de trocar as organizações sociais por uma nova forma de gerir que vai deixar e permitir que se faça com a saúde o mesmo que as OS fizeram. “Nós temos que blindar para que não aconteça isso”, asseverou.

Para a deputada, não se pode deixar brechas no governo, porque tendo brechas vai ter vazamento como ocorreram nas secretarias da Educação, Saúde e outros lugares da administração ainda deixadas pela gestão passada e que terminou com investigações do Ministério Público e agentes públicos presos, como o próprio ex-governador Ricardo Coutinho.

“Isso vai ser também um debate a ser feito assim que voltarmos do recesso. Nós vamos ter um começo de ano do período legislativo muito conturbado, de muitos debates e acirramentos, sem dúvida nenhuma. Sem falar na Operação Calvário, porque ainda não sabemos se ainda terá mais uma fase, que pode mexer no tabuleiro da Assembleia Legislativa. Eu acredito que não será um ano tranquilo, porque as questões internas vão causar um tumulto muito forte e pode haver questões externas que venham a causar algo ainda maior”, avaliou.

Share this page to Telegram
Matérias Relacionadas

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube