Fechar

logo

Fechar

Escolas com infraestrutura ruim têm pior desempenho no Ideb

Folhapress. Publicado em 31 de julho de 2019 às 8:35.

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

FERNANDA CANOFRE
BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) – Escolas com prédios precários, pouco acesso a serviços públicos e sem inclusão para pessoas com deficiência tiveram as piores avaliações no Ideb -o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, que sintetiza o desempenho médio dos alunos na Prova Brasil e a média de taxas de aprovação.

A relação entre resultados escolares e infraestrutura é um dos pontos apontados no estudo realizado pela Unesco e pela UFMG, que analisa a qualidade da infraestrutura das escolas públicas de ensino fundamental no Brasil, divulgado nesta quarta-feira (31).

Com base no Censo Escolar e no Saeb (Sistema de Avaliação da Educação Básica) do Inep, a pesquisa utilizou dados de 143.170 escolas públicas e privadas de ensino fundamental do país, avaliando os anos de 2013, 2015 e 2017. As privadas e federais foram usadas para validação, mas retiradas da análise final.

A relação entre as notas do Ideb e índices de infraestrutura é apontada tanto em anos iniciais, quanto finais do ensino fundamental, segundo o estudo.

“Não é um modelo controlado, mas o que ele mostra é que é uma condição básica: sem você ter infraestrutura, dificilmente vai ter bons resultados”, explica Maria Teresa Gonzaga Alves, professora da UFMG e uma das coordenadoras da pesquisa.

Para avaliar a qualidade da infraestrutura escolar, a pesquisa focou em cinco dimensões: área (zona urbana ou rural, estado e região do país onde está localizada); atendimento (etapas e modalidade de ensino); condições da escola (estado dos prédios, acesso a serviços públicos, ambiente); condições para ensino e aprendizado (situação dos espaços pedagógicos) e condições para equidade (acesso e ambiente para pessoas com deficiência).

Ainda que federais e particulares sigam com médias melhores do que estaduais e municipais, os indicadores da rede pública evoluíram. Escolas urbanas seguem com indicadores melhores do que as da zona rural.

O tamanho das escolas também faz diferença. Escolas com até 50 alunos, por exemplo, categoria que inclui a maioria dos estudantes brasileiros, têm indicadores mais baixos que aquelas com mais de 400 alunos. Em alguns indicadores a diferença chega perto de cinco pontos.

A pesquisa também dividiu a infraestrutura geral dos estabelecimentos em sete níveis, sendo as escolas de nível I as com situação mais precária, não tendo nem banheiros dentro dos prédios (geralmente encontradas em zona rurais e na região Norte) até o nível VII (nível de grandes escolas urbanas do Sul e Sudeste).

O estudo indica que a infraestrutura das escolas reflete aspectos padrão do país. Quanto mais alto o Inse (índice de nível socioeconômico) dos alunos, por exemplo, maiores também os indicadores de infraestrutura da escola.

“Temos escolas para pobres e para ricos, e estamos analisando somente escolas municipais e estaduais. Mesmo na rede pública, a desigualdade é muito grande”, avalia Maria Teresa.

Quanto à regiões, enquanto Centro-Oeste ocupa posição intermediária, Sul e Sudeste têm médias melhores de infraestrutura do que as do Norte e Nordeste. O Nordeste foi a região que mais avançou no período analisado – especialmente o Ceará.

Maria Teresa explica a melhora com algo que não entrou no estudo: dados recentes do Inep indicam investimento de cerca de 200% em educação básica nas regiões mais pobres entre 2000 e 2015, em políticas articuladas entre entes da federação.

O indicador onde muitos estabelecimentos de ensino tiveram baixa é AEE (Atendimento Educacional Especializado), que mede inclusão. Enquanto os dados mostram diminuição de escolas entre nível I e III, há dificuldade para se chegar a mais escolas nível VII, que tem como determinante condições de inclusão para pessoas com deficiência.

Para Maria Teresa, é preciso investimento, mas também tomar cuidado na análise dos dados. “Eles indicam que talvez a gente precise melhorar a coleta do dado, talvez colocar mais itens para refinar a medida. A escola pode ter rampa adaptada, mas será que tem banheiro adaptado?”, diz.

A melhoria da infraestrutura das escolas é uma das metas do PNE (Plano Nacional de Educação) de 2014, como estratégia para melhorar os índices de educação básica no país. Ela também é prevista entre as metas da Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável, aprovadas em 2015, em reunião de líderes mundiais na Coreia do Sul.

A ideia é que a análise de dados do estudo, ajude a apontar uma forma de municípios e estados monitorarem os números. “É interessante se esse trabalho ajudar no acompanhamento de uma qualidade que a gente espera que não caia”.

Share this page to Telegram
Matérias Relacionadas

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube