Quantcast

Fechar

logo

Fechar

Em audiência no Senado, Moro nega conluio com procurador da Lava Jato

Folhapress. Publicado em 19 de junho de 2019 às 12:33.

Foto: Gabriel Matos/Agência Senado

Foto: Gabriel Matos/Agência Senado

DANIEL CARVALHO E THAIS ARBEX
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Em sessão da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado, nesta quarta-feira (19), o ministro Sergio Moro (Justiça) negou ter participado de conluio com Ministério Público Federal na Operação Lava Jato.

Moro foi à Casa prestar esclarecimentos sobre o vazamento de mensagens que indicam troca de colaborações do ex-juiz com o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa.

Aos senadores o ministro afirmou ser alvo de um ataque hacker que mira as instituições e que tem como objetivo anular condenações por corrupção.

Até aqui, ele tem insistido no discurso de tachar a invasão de celulares como um movimento contra a Lava Jato e em desqualificar o site The Intercept Brasil, que divulgou os diálogos. “O que posso assegurar é que, na condução dos trabalhos de juiz no âmbito da Operação Lava Jato, sempre agi conforme a lei”, disse.

O ministro também informou que entregou seu celular para análise da Polícia Federal, negou que tenha atuado politicamente na Lava Jato e afirmou ser comum que o juiz converse com as partes do processo.

“É normal no Brasil esses contatos entre juiz, advogado e Ministério Público ou policiais. O que tem que ser avaliado é o conteúdo destes contatos”, afirmou ao responder o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE).

Disse ainda que não guarda o arquivo das conversas e que não lembra do que escreveu há três anos, o que o impediria de atestar a sua veracidade. O senador Otto Alencar (PSD-BA) fez uma provocação: “Não exijam muito da memória do ministro. Ele tem péssima memória.”

Moro também afirmou que deixou de usar o Telegram, de onde as mensagens foram extraídas, em 2017, quando houve notícias de ataques hackers nas eleições dos Estados Unidos e ele começou a desconfiar da segurança do aplicativo, que tem origem russa.

Segundo o Intercept, as conversas, enviadas à reportagem por fonte anônima, aconteceram entre 2015 e 2018.

Share this page to Telegram
Matérias Relacionadas

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube