Fechar

logo

Fechar

Estado realiza Seminário de Saúde Integral de Travestis e Transexuais

Da Redação com Secom/PB. Publicado em 13 de abril de 2018 às 10:09.

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Saúde (SES), em parceria com a Secretaria de Estado da Mulher e Diversidade Humana, realizou nessa quinta-feira (12), o 1º Seminário Estadual de Saúde Integral de Travestis e Transexuais.

O evento, realizado no auditório do Centro de Ciências Médicas da Universidade Federal da Paraíba, em João Pessoa, teve como objetivo compartilhar experiências no atendimento à população de travestis e transexuais e no processo transexualizador, em conformidade com a Portaria GM MS 2.803/2013.

Também foram abordadas experiências exitosas relacionadas ao atendimento a pessoas travestis e transexuais, desde a infância até a fase adulta.

O seminário teve como público-alvo estudantes universitários da área de saúde, profissionais da saúde e gestores do SUS.

Estiveram presentes na mesa de abertura do evento a secretária de Estado da Saúde, Cláudia Veras, a secretária de Estado da Mulher e Diversidade Humana, Gilberta Soares, a diretora do Complexo Hospitalar Clementino Fraga, Thaís Maíra Matos, o gerente do Ambulatório TT da Paraíba, Sérgio Araújo, além de Andreina Giulyanni e Renato Guimarães, representando a população trans.

Participaram das mesas e debates a gerente estadual de IST/Aids e Hepatites Virais e representante do Comitê Estadual de Saúde LGBT, Ivoneide Lucena, o psicólogo do espaço LGBT, Gleydson Marques, o psiquiatra do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas  de São Paulo e colaborador do Ambulatório Transdisciplinar (AMTIGOS), Daniel Augusto Mori, a psicóloga do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas  de São Paulo, Desirèe Monteiro, a psicóloga e professora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Maya Foigel, a professora do Departamento de Saúde Coletiva da Unifesp, Maria Amélia Mascena Veras, a professora do programa de Pós-graduação em Enfermagem da UFPB, Sandra Almeida, e a equipe multiprofissional do Ambulatório TT.

Foto: Secom/PB

Durante todo o dia, foram abordados e discutidos vários temas relacionados à saúde integral da população de travestis e transexuais, como ‘O cuidado integral para travestis e transexuais na Paraíba’, ‘O processo transexualizador: Avanços e desafios’, ‘A importância da Hormonioterapia no Processo Transexualizador’, ‘Atendimentos às crianças e adolescentes transexuais’, entre outros.

A diretora do Clementino Fraga, Thaís Maíra Matos, comemorou o sucesso do seminário, que esgotou as vagas em menos de 24 horas.

“Estou muito feliz e orgulhosa por estar aqui, cumprindo a minha missão enquanto parte de um serviço de saúde do estado, de estar levando a informação sobre este belo atendimento público que é realizado no Ambulatório TT. Desde o momento das inscrições já sabíamos que seria um sucesso, pois disponibilizamos 150 vagas, que é a capacidade deste auditório, e em menos de 24 horas já tínhamos 207 pessoas inscritas. Isso mostra a importância de se discutir sobre esse tema”, disse.

A secretária de Estado da Mulher e Diversidade Humana, Gilberta Soares, afirmou que o seminário é um espaço acolhedor para a população trans e de travestis, principalmente no momento em que o país passa por uma onda de conservadorismo. Ela ressaltou a importância de se debater o tema.

“Não podemos permitir que o conservadorismo ocupe os espaços que conquistamos com tanta dificuldade, depois de uma longa caminhada. Discutir a saúde dessa população é discutir o cuidado integral, é pensar a saúde de uma forma mais ampla, dentro do contexto dessa população. E isso não é algo recente. O país hoje tem uma geração de transexuais idosos, mas o cuidado para com eles é algo recente. Começamos esse caminhão em 2011 e sabemos que temos muito o que fazer e aprender, mas também temos muita experiência acumulada que queremos compartilhar, mostrando para todo o estado. Queremos que essa assistência entre na Atenção Básica, e para isso precisamos atingir os profissionais em formação, para que possam sair da universidade já conhecendo essa realidade”, disse.

A representante da Associação das Travestis e Transexuais da Paraíba (Astrapa), Andreina Giulyanni, falou sobre a importância do trabalho dos movimentos sociais e de dar visibilidade a essa população.

“É um prazer fazer parte desse seminário hoje como movimento social que sou, movimento de resistência desde a década de 1980, onde jamais poderíamos imaginar se discutir transexualidade e travestividade como estamos fazendo aqui. Isso mostra que a população vem se abrindo para essa realidade, mas ainda é pouco. Essa população vem sendo invisibilizada, e estamos aqui para mostrar que existimos e estamos aumentando. Não somos minoria e precisamos dos serviços de saúde, por isso é necessário que os profissionais conheçam nossa realidade”, afirmou.

A secretária de Saúde do Estado, Cláudia Veras, reafirmou o compromisso do Governo Estadual com a população de trans e travestis.

“Não posso deixar de ressaltar o compromisso do governo estadual com esta população. A pauta da saúde é extremamente desafiadora, pois têm necessidades crescentes e recursos limitados, que muitas vezes são colocados em procedimentos de alta e média complexidades, quando sabemos que existe uma diversidade de outras questões que precisam ser priorizadas. Mesmo com todas essas dificuldades, o Governo do Estado não deixou de investir nas necessidades desta população, abrindo o Ambulatório TT, por exemplo. E não vamos parar por aí, ainda vamos avançar muito nessa questão. O Governo continuará avançando em seus serviços, atendendo o que é identificado como necessidade da população TT”, concluiu Cláudia.

Matérias Relacionadas
Simple Share Buttons

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube