Fechar

Fechar

Tribunal de Justiça multa deputado em processo de quando era prefeito

Da Redação com Ascom. Publicado em 14 de março de 2018.

Além de negar provimento ao recurso do ex-prefeito de Pocinhos, Adriano Cézar Galdino de Araújo (foto), o Pleno do Tribunal de Justiça da Paraíba fixou multa no percentual de 10% do valor da causa, por observar litigância de má-fé por parte do ex-gestor, que responde por ato de improbidade administrativa, em uma Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público. A relatoria foi do presidente do TJPB, desembargador Joás de Brito Pereira Filho, e a decisão ocorreu nesta quarta-feira (14).

Na Ação, o MP requereu a condenação de Adriano Cézar Galdino de Araújo, alegando que a Prefeitura de Pocinhos ajuizou uma Ação de Execução Fiscal contra Sóstenes Murilo Melo de Oliveira, exigindo a quantia de R$ 4 mil, decorrente de uma condenação proferida pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB).

No entanto, o então prefeito, Adriano Cézar, não teria impulsionado o processo de execução para garantir o ressarcimento ao erário, por ser o devedor seu aliado político.

A sentença deu provimento parcial à Ação Civil Pública, condenando o ex-prefeito ao ressarcimento integral do dano e ao pagamento de uma quantia referente a dez vezes o valor de sua respectiva remuneração à frente do cargo. Já em sede de 2º Grau, foi afastado ressarcimento integral do dano, mantendo o restante do pagamento.

Houve Embargos, que foram rejeitados por unanimidade. Ainda inconformado, o ex-prefeito apresentou Agravo em Recurso Extraordinário (RE) ao Supremo Tribunal Federal, que foi devolvido ao TJPB e teve o seguimento negado.

Adriano Cézar apresentou, então, o Agravo Interno nº 0000850-14.2008.815.0541, buscando reformar a decisão que negou seguimento ao RE.

O relator, desembargador Joás de Brito Pereira Filho, afirmou que, desprende-se do acórdão que não houve cerceamento de defesa, visto que a testemunha indicada prestou depoimento, o que permitiu ao magistrado sentenciar com pleno e total conhecimento da matéria.

Apesar de o órgão fracionário ter se expressado com estes argumentos sobre o assunto, a alegação de cerceamento de defesa foi renovada nos Embargos (rejeitados) e, depois, no RE interposto.

Para o relator, a parte agravante não apresentou nenhum argumento capaz de modificar a decisão. Além disso, o desembargador verificou que houve uma insistência da parte em suscitar a tese do cerceamento de defesa, razão pela qual propôs a aplicação da multa.

“Patente, assim, a litigância de má-fé do agravante, em virtude de sua atitude desleal e reincidente, que se utiliza de instituto processual desprovido de fundamentação necessária, apta a gerar reexame da matéria pelo órgão julgador, revestindo-se, na verdade, de ato tendente a tumultuar ou protelar a marcha processual”, asseverou o relator.

Matérias Relacionadas
Simple Share Buttons

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube