Quinta-Feira, 04 de Abril de 2013 22h51
Sessão especial na ALPB encaminha comissão de negociação para tentar pôr fim à greve na UEPB
-A
+A

Numa sessão especial bastante participava na manhã desta quinta-feira (04/04), foi encaminhada uma comissão de negociação tripartite para que se chegue a um bom termo quanto às reivindicações dos professores e servidores técnico-administrativos da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), que se encontram em greve há cerca de 45 dias. A sessão foi proposta pelo deputado Aníbal Marcolino (PEN), que teve que se ausentar ao fim do debate, tendo o deputado Anísio Maia (PT) assumindo a presidência dos trabalhos.

Participaram da mesa o chefe de gabinete do governador, Waldir Porfírio; o reitor da UEPB, professor Rangel Júnior, o diretor do Andes (Sindicato Nacional dos Docentes de Ensino Superior), Josevaldo Cunha; o presidente da Associação dos Docentes da UEPB, José Cristóvão de Andrade; os representantes do Comando de Greve, Juscelino Pereira Luna, Cristiane Nepomuceno (professores) e Sérgio Cunha (técnico-administrativo). Além destes, na mesa os representantes estudantis Alberto Alves (DCE) e Fernando Domingos, e do Fórum dos Servidores Públicos da Paraíba, Victor Hugo e Lourdes Sarmento.

A grande maioria das falas apontou a quebra da Autonomia Universitária por parte do governador Ricardo Coutinho como principal problema para a situação vivida pela UEPB, e denunciou os diversos problemas enfrentados pela comunidade acadêmica em relação à infraestrutura, tais como laboratórios sem equipamentos, reformas inconclusas, falta de professores e de salas de aula para todas as turmas, graves problemas nos prédios (como tetos sob ameaça de desabamento). Vários deputados da bancada de oposição também fizeram uso da palavra e cobraram do reitor uma postura mais aguerrida para que o Governo repasse à Universidade os recursos devidos.

O reitor Rangel Júnior se defendeu das críticas, alegando que a UEPB viveu uma grande expansão recentemente e que, por isso, “está passando por uma crise de crescimento”.

Numa das últimas intervenções, o professor Nelson Júnior propôs a criação de uma comissão, que será formada por representantes do Governo Estadual, da Assembleia Legislativa, do Comando de Greve (professores, funcionários e estudantes) e da Reitoria. A primeira reunião já ficou marcada para o próximo dia 09/04, na ALPB.

Por fim, o deputado Anísio Maia interveio no sentido de que é preciso buscar recursos emergenciais para solucionar o impasse do reajuste salarial dos servidores em greve e para investir na infraestrutura da UEPB a fim de resolver os diversos problemas relatados na sessão. “O Governo Estadual tem repetido na imprensa que obteve um superávit orçamentário de R$ 400 milhões. Proponho que deste recurso saíam os R$ 22 milhões estimados como necessários para atender a à demanda imediata da UEPB”. A proposta do deputado também será analisada na reunião da comissão de negociação.

Reivindicações

A comunidade acadêmica da UEPB coloca como centro de sua pauta a luta contra a PRECARIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO e reivindicam: reposição das perdas salariais; oposição à ampliação indiscriminada da carga horária de ensino para os professores; defesa da Autonomia Universitária; respeito aos professores substitutos, com isonomia dos proventos em relação aos efetivos, bem como ampliação do prazo dos contratos; equiparação salarial entre aposentados e profissionais da ativa; expansão e consolidação da assistência estudantil, com efetiva aplicação dos recursos orçados, implicando na ampliação das bolsas (pesquisa, extensão e monitoria), na expansão e/ou construção de Residências e Restaurantes Universitários gratuitos; melhoria da infraestrutura dos campi; realização de concurso público.

Fonte: Ascom
02
Outubro de 2014
Tenho sorte de poder escolher equipe, diz Alonso sobre interesse da McLaren
02
Outubro de 2014
Manchetes dos jornais paraibanos nesta 5ª feira
02
Outubro de 2014
6Sigma aponta empate técnico entre Cássio e Ricardo


» TODAS AS NOTÍCIAS