Sábado, 16 de Fevereiro de 2013 13h25
Aduepb defende proposta salarial para professores e servidores da UEPB
-A
+A
Ascom

Em nova reunião no Gabinete da Reitoria da Universidade Estadual da Paraíba, estiveram reunidos os dois Sindicatos (ADUEPB e o SINTESPB) com o pró-reitor de RH professor Sandy Gonzaga e o reitor Rangel Júnior. A reitoria apresentou as repercussões na folha de pessoal das propostas encaminhadas pelos sindicatos. A ADUEPB insistiu na análise da proposta aprovada na última Assembleia Geral do dia 4 de dezembro de 2012, no percentual de 17,7%.

A informação é do professor José Cristovão de Andrade, presidente da Associação dos Docentes da Universidade Estadual da Paraíba. Esta reunião aconteceu na tarde da sexta-feira, dia 15 de fevereiro.

O reitor apresentou os dados da Folha de Pessoal e que os recursos aprovados pelo Governo do Estado para 2013 seriam insuficientes para atender a realidade atual da UEPB. Dentre as propostas analisadas, três merecem destaques: piso salarial de R$ 4.300,00 para o professor t.40 graduado; melhoria do piso salarial com 17,7% e a proposta em estudo pelo RH do percentual 5,83% da inflação de 2012 e reajuste mínimo de 3%, isso se o Orçamento ficar em R$231 milhões. Em 2012 a UEPB fechou o ano com R$235 milhões da fonte do Tesouro Estadual, logo a previsão de 2013 é de R$ 287 milhões com outras fontes.

A ADUEPB solicitou estudos do percentual de 10,5% e redução imediata dos gastos com a Folha, Custeio e Investimento.

Uma nova reunião foi marcada para a próxima segunda-feira dia 18/2 ás 16h. Esta reunião deverá definir uma proposta que será apresentada e avaliada na Assembleia Geral da ADUEPB no dia 19/2-terça-feira às 14hs no CCJ.
A nossa Assembleia Geral também aprovou que após negociação dos percentuais de aumento salarial, uma minuta de lei deve ser enviada ao governo para legalizar todos os aumentos concedidos por resoluções do Consuni. Esta atitude garantirá a paridade entre os docentes da ativa e aposentados.

Disse Andrade que “avaliamos que esta indefinição de atender as propostas das categorias está relacionada à falta de planejamento da gestão anterior nos investimentos realizados e também ao descumprimento do percentual da LEI DE AUTONOMIA pelo Governo do Estado.

Defendemos que uma Comissão deva ser criada em caráter de urgência com os representantes legais da Comunidade Universitária, Assembleia Legislativa e Governo do Estado. Somos defensores da reavaliação da Lei de Autonomia e um novo percentual deverá ser aprovado. Propomos no mínimo 6% e reavaliação a cada dois anos e repasse mensal dos duodécimos em conformidade com a nossa lei.

Esta proposta viabilizará a consolidação dos Campi criados desde 2005; melhoria dos pisos salariais das categorias; Qualificação do Magistério Estadual e dos Municípios; Erradicação do Analfabetismo e melhoria dos Programas de Ensino, Pesquisa e Extensão da UEPB. Todos esses voltados para o desenvolvimento do Estado da Paraíba”.

Lembra que desde 2009 as negociações salariais e data-base praticamente não existiram com as entidades e tivemos que aceitar as imposições unicamente da inflação. “Avançar no piso salarial exige uma maior mobilização dos docentes para garantir as condições dignas de trabalho e saúde”, concluiu.

Fonte: Da Redação com Ascom
26
Julho de 2014
GP2: safety car define resultado de Negrão na Hungria
26
Julho de 2014
NO ARI BLOG Supremo Tribunal voltará a discutir a questão das terceirizações
26
Julho de 2014
Candidato a senador do PT amplia parceria com o ex-presidente da Famup


» TODAS AS NOTÍCIAS